sicnot

Perfil

Mundo

E quando Trump deu a mão a Theresa May? A primeira-ministra britânica explica

EPA

A primeira-ministra britânica falou pela primeira vez sobre o inesperado aperto de mão de Donald Trump, durante a sua visita aos Estados Unidos. Não foi um habitual aperto de mão, mas sim dar a mão, o que naturalmente despertou a atenção da comunicação social. Em entrevista à Vogue norte-americana, Theresa May disse que o Presidente dos EUA "estava a ser um cavalheiro" ao pretender ajudá-la antes de descer uma rampa, na Casa Branca.

Os estranhos, inesperados ou inexistentes apertos de mão de Donald Trump já fizeram correr muita tinta e ameaçam continuar a alimentar polémicas.

Theresa May foi, em janeiro, a primeira chefe de um governo estrangeiro a visitar Washington após a tomada de posse de Trump.

O momento em que o Presidente norte-americano segurou , inesperadamente, a mão de May, na Casa Branca, mereceu ampla cobertura mediática. A primeira-ministra britânica não se tinha ainda pronunciado sobre o episódio. Numa entrevista concedida à revista Vogue Americana, vem agora esclarecer o sucedido.

"Nós estávamos prestes a descer uma rampa... ele disse que poderia ser difícil", disse à Vogue. Theresa May considerou ainda: "Acho que ele estava realmente a ser um cavalheiro".

Questionada sobre o que achou do Presidente dos EUA, respondeu: "Eu gosto de pensar que nos demos bem".

"Obviamente que ele teve... uma vitória eleitoral impressionante, na medida em que é alguém que não esteve envolvido na política", considerou também a líder britânica sobre o percurso eleitoral de Trump.

Já anteriormente, May criticou publicamente os comentários de Trump em relação às mulheres, considerando-os "inaceitáveis".

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.