sicnot

Perfil

Mundo

Número de quenianos com fome duplica para três milhões

O número de quenianos que necessita de ajuda alimentar de emergência duplicou nos últimos três meses para três milhões, informou esta terça-feira a Cruz Vermelha.

O Quénia é um dos vários países da África Oriental que sofrem crises alimentares, juntamente com a Etiópia e o Sudão do Sul, onde a fome já foi declarada, enquanto a Somália arrisca a sua terceira fome em 25 anos.

Fora da região, o Iémen e a Nigéria também enfrentam a fome, no que as Nações Unidas designaram como a pior crise humanitária desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Como muitos dos seus vizinhos, o Quénia sofre os efeitos de dois anos consecutivos com pouca chuva, o que reduziu as colheitas significativamente, levou ao aumento do preço dos alimentos e à subida da inflação.

"A situação está a piorar diariamente. As taxas de desnutrição entre as crianças estão a subir. As crianças estão a ficar doentes e as famílias ficaram sem meios de subsistência devido à morte do seu gado", disse Abbas Gullet, secretário-geral da Cruz Vermelha do Quénia, citado num comunicado.

O número de quenianos com fome pode aumentar para quatro milhões nas próximas semanas, adianta o comunicado.

Fatoumata Nafo-Traore, diretora para África da Federação Internacional da Cruz Vermelha, declarou que "as organizações humanitárias precisam de recursos para responder à escala necessária".

"Se não o fizermos, milhares de pessoas podem morrer e as crianças ficarão afetadas para o resto das suas vidas", adiantou.

Lusa

  • Quem é Elon Musk?
    9:42
  • "Bashar Al-Assad continua a fazer tudo o que quer contra o seu próprio povo"
    0:48
  • A história da neta de um dos mais cruéis comandantes da II Guerra Mundial
    3:20