sicnot

Perfil

Mundo

Número de quenianos com fome duplica para três milhões

O número de quenianos que necessita de ajuda alimentar de emergência duplicou nos últimos três meses para três milhões, informou esta terça-feira a Cruz Vermelha.

O Quénia é um dos vários países da África Oriental que sofrem crises alimentares, juntamente com a Etiópia e o Sudão do Sul, onde a fome já foi declarada, enquanto a Somália arrisca a sua terceira fome em 25 anos.

Fora da região, o Iémen e a Nigéria também enfrentam a fome, no que as Nações Unidas designaram como a pior crise humanitária desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Como muitos dos seus vizinhos, o Quénia sofre os efeitos de dois anos consecutivos com pouca chuva, o que reduziu as colheitas significativamente, levou ao aumento do preço dos alimentos e à subida da inflação.

"A situação está a piorar diariamente. As taxas de desnutrição entre as crianças estão a subir. As crianças estão a ficar doentes e as famílias ficaram sem meios de subsistência devido à morte do seu gado", disse Abbas Gullet, secretário-geral da Cruz Vermelha do Quénia, citado num comunicado.

O número de quenianos com fome pode aumentar para quatro milhões nas próximas semanas, adianta o comunicado.

Fatoumata Nafo-Traore, diretora para África da Federação Internacional da Cruz Vermelha, declarou que "as organizações humanitárias precisam de recursos para responder à escala necessária".

"Se não o fizermos, milhares de pessoas podem morrer e as crianças ficarão afetadas para o resto das suas vidas", adiantou.

Lusa

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela.