sicnot

Perfil

Mundo

Morreram no Sudão do Sul 82 trabalhadores humanitários desde 2013

Andreea Campeanu

Oitenta e dois trabalhadores humanitários morreram no Sudão do Sul desde 2013, informou esta quarta-feira o responsável do gabinete de coordenação de assuntos humanitários (OCHA) da ONU no país, Eugene Owusu.

"Um total de 82 trabalhadores humanitários perderam a vida enquanto realizavam o seu trabalho desde que começou o conflito em dezembro de 2013", disse Owusu aos meios de comunicação social na capital, Juba.

O coordenador pediu às partes em conflito que parem os confrontos e "o assédio" do pessoal humanitário.

Acrescentou que nos últimos dias foram retirados pelos menos 60 trabalhadores do estado de Junqali, no nordeste do país, perante a deterioração das condições de segurança e o conflito entre o Governo e os rebeldes.

A guerra no Sudão do Sul começou em dezembro de 2013 quando o Presidente, Salva Kiir, da tribo dinka, acusou o então vice-Presidente, Riek Machar, da etnia rival nuer, de ter orquestrado um golpe de Estado contra si.

Apesar de o Governo e a oposição armada, encabeçada por Machar, terem assinado um acordo de paz em agosto de 2015, a tensão continua e muitas vozes têm alertado para o perigo de o conflito se transformar num genocídio.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".