sicnot

Perfil

Mundo

Sul-coreano morre depois de comer um sapo

sapo

Tim Wimborne

Um sul-coreano morreu depois de comer um sapo. O homem pensou que se tratava de rãs próprias para alimentação, mas na verdade era um sapo venenoso.

Segundo a BBC, o caso foi avançado pela polícia local esta sexta-feira, mas o incidente aconteceu em março.

O homem terá capturado cinco destes anfíbios numa reserva, perto da cidade de Daejeon, na Coreia do Sul. Acreditando que se tratavam de rãs-touro, o homem cozinhou os animais e, juntamente com um grupo, comeu-os num restaurante.

Contudo, logo depois, o homem de 57 anos começou a vomitar e teve de ser levado para o hospital, onde acabou por morrer na manhã seguinte. De acordo com o jornal inglês, foi encontrada bufotenina - um químico comum na toxina do sapo - no prato.

Os outros elementos do grupo, que também ingeriram sapos, apresentaram os mesmos sintomas de envenenamento, mas conseguiram sobreviver..

Rã-touro

Rã-touro

Reuters Staff

As rãs-touro são uma iguaria em algumas zonas rurais da Coreia do Sul.

A bufotenina pode ser fatal, quando ingerida em grandes doses. No entanto, é também um psicadélico natural, havendo até quem lamba sapos, numa tentativa a alcançar um efeito alucinogénico.

  • Voluntários portugueses rumam ao México com cães de salvamento
    1:59

    Mundo

    Nuno Vieira e Marco Saraiva são voluntários de Braga. Com os seus dois cães, "Koi" e "Yuki", formam uma equipa de resgate e partem esta noite para o México, para ajudar na busca e salvamento de vítimas do terramoto que abalou o país esta terça-feira. A equipa portuguesa faz parte de uma ONG espanhola.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição em Porto Rico
    1:16
  • "Desistam desta escalada de radicalismo e desobediência"
    3:35
  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • DGS garante que não há perigo de dengue
    2:09

    País

    Foi detectada em Penafiel a presença de uma espécie de mosquito potencialmente transmissora de dengue. No entanto, a diretor-geral da Saúde, Francisco George, garante que nenhum dos mosquitos estava infetado, não havendo assim riscos para a saúde humana. O mosquito de origem asiática já se espalhou por vários países europeus.

  • José Cid denuncia poluição em ribeira de Mogofores
    2:03

    País

    Uma descarga poluente matou peixes e outros seres vivos num curso de água que alimenta o rio Cértima, em Anadia. Um dos moradores revoltados com o cenário é o cantor José Cid, proprietário de uma quinta onde passa a ribeira, cuja água é habitualmente usada para regar os campos agrícolas.

  • Contra a endogamia académica
    2:40

    País

    As universidades públicas contratam sobretudo professores formados na própria instituição. O estudo recente da Direção-geral de Estatísticas da Educação e Ciência revela que o mérito não tem sido o requisito privilegiado. A endogamia académica é o conceito que se tenta agora inverter a bem da qualidade cientêntifica, da criatividade e da inovação.

  • Episódio da Abelha Maia censurado por queixas de obscenidade

    Cultura

    A plataforma digital Netflix viu-se obrigada a retirar um episódio da Abelha Maia depois das queixas de pais norte-americanos por causa de um "desenho obsceno", em forma de pénis. Aparentemente, terá sido só removido para quem acede nos EUA dado que, ao que a SIC pôde constatar, a partir de Portugal o episódio 35 está disponível.

  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.