sicnot

Perfil

Mundo

Atleta olímpica que fugiu da Síria nomeada embaixadora da ONU

Fabrizio Bensch

A nadadora síria que fugiu do seu país e chegou a nado à costa europeia, Yusra Mardini, e participou nos Jogos Olímpicos Rio2016, foi esta quinta-feira nomeada embaixadora da boa vontade pela agência da ONU para os refugiados.

"Para mim é uma honra representar os refugiados do mundo e ser a mais jovem embaixadora da boa vontade da história do ACNUR. Estou grata por esta oportunidade", disse Yusra Mardini, de 19 anos, nascida em Damasco e residente em Berlim, na Alemanha.Yusra Mardini, que em 2012 representou a Síria nos Mundiais de natação, fugiu do país em 2015, devido ao conflito existente, embarcando com a irmã Sarah, desde a Turquia, numa jornada que as levou às costas da Grécia.

Num frágil barco à deriva com 20 pessoas, devido a falha no motor, Yusra Mardini, então com 17 anos, atirou-se ao mar e nadou em direção à costa mediterrânica, durante cerca de três horas, orientando a embarcação até terra grega.

Tal como outros milhares de refugiados, Yusra Mardini chegou à Alemanha e as autoridades locais, conhecendo as suas aptidões desportivas, proporcionaram-lhe condições para continuar a treinar.

"Serei eternamente grata à Alemanha por me ter acolhido, alojado, alimentado e por me ter permitido continuar a treinar", disse Yusra Mardini, que falava durante uma conferência de imprensa.

Quando o Comité Olímpico Internacional (COI) decidiu formar uma equipa de refugiados para participar no Rio2016, Yusra Mardini foi um dos elementos escolhidos.

"Para mim é um sonho. Depois de tudo que tinha acontecido, participar nos Jogos Olímpicos e ser capaz de ser uma voz para milhões de refugiados em todo o mundo é incrível", disse Yusra Mardini.

A curto prazo, a nadadora planeia visitar o Japão, local dos Jogos Olímpicos de 2020, para partilhar a sua experiência como membro da equipa de refugiados de 2016 e defender a participação de igual seleção em Tóquio.

"Eu não sei o que vai acontecer nos próximos seis meses, o que eu sei é que eu quero estudar, treinar e continuar a defender o respeito e direitos dos refugiados", disse.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.