sicnot

Perfil

Mundo

1 milhão de crianças pode ficar em risco sem apoio à República Centro-Africana

(arquivo)

© Siegfried Modola / Reuters

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertou esta sexta-feira que sem reforço do apoio fica em risco "a vida e o futuro" de mais de um milhão de crianças na República Centro-Africana.

"Não podemos permitir que a RCA (República Centro-Africana) se torne uma crise esquecida", afirmou Christine Muhigana, representante da UNICEF no país, citada num comunicado da organização.

"A realidade é que sem apoio suficiente não teremos capacidade para proporcionar os serviços vitais necessários para manter as crianças saudáveis, em segurança e na escola", adiantou.

Segundo a UNICEF, a recuperação da RCA é frágil e continuam a ser um problema a violência esporádica e a instabilidade, estimando-se em cerca de 890 mil o número dos que tiveram de fugir das suas casas e em 2,2 milhões, metade dos quais crianças, os que precisam de assistência humanitária.

A violência e a deslocação generalizada "deixaram as crianças especialmente vulneráveis em termos de saúde, exploração e abuso", indica o comunicado.

"Quase metade das crianças menores de cinco anos (41%) sofre de má nutrição crónica que compromete o seu desenvolvimento físico e intelectual, uma em cada sete crianças morrerão antes dos cinco anos e um terço das crianças não estão na escola", refere a agência da ONU.

Em 2017, a UNICEF e organizações parceiras pretendiam tratar 29.585 menores de cinco anos com desnutrição aguda e dar apoio psicossocial a 50 mil crianças.

"Proporcionar a 320 mil pessoas acesso a serviços de saúde essenciais e fornecer água potável a 450.000 pessoas deslocadas e às comunidades que as acolhem" são outros dos objetivos daquelas organizações para o corrente ano.

No entanto, a UNICEF "tem um défice de financiamento de 32,6 milhões de dólares (29,6 milhões de euros)" e a RCA é considerada um dos países "mais perigosos para o pessoal das organizações humanitárias", com 14 incidentes envolvendo estas organizações registados apenas em março.

"Os serviços sociais continuam a não existir em muitas zonas do país onde as organizações humanitárias têm de prestar assistência de emergência às populações mais vulneráveis", assinalou Christine Muhigana, adiantando que "a UNICEF está a trabalhar para levar assistência humanitária a áreas afetadas pelo conflito e a trabalhar com o governo na recuperação das zonas que são seguras."

Lusa

  • Lei que permite a entrada de animais em espaços de restauração gera dúvidas
    2:23

    País

    A lei que permite a entrada de animais de companhia em estabelecimentos de restauração, que entrou hoje em vigor, está a gerar dúvidas para os proprietários. Até ao momento são poucos os estabelecimentos que aderiram e a previsão é para que assim continue. A DECO questionou 1800 pessoas sobre a presença dos animais nos restaurantes e apenas 25% votou a favor.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes