sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 24 mortos no primeiro dia da criação de zonas seguras na Síria

(Arquivo)

Alaa Faqir

Pelo menos 24 pessoas morreram na Síria no sábado em combates entre o exército e fações rebeldes e islamitas na província de Hama, no primeiro dia de aplicação do acordo de zonas seguras, afirmaram este domingo ativistas.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, onze dos mortos eram de forças leais ao governo do Presidente Bashar al-Assad, enquanto treze pertenciam a fações que as combatem.

As tropas governamentais avançaram, apoiadas por artilharia e bombardeamentos, pela cidade de Al Zalaquiat, apesar do pacto mediado pela Rússia e Irão, que apoiam o governo e a Turquia, que está pela oposição.

O acordo previa a criação de quatro zonas seguras, em que parem os combates para melhorar a situação humanitária e tentar avançar para uma solução política.

As supostas zonas seguras são Idleb, no norte, partes do norte de Homs, no centro, a parte oriental de Guta, nos arredores da capital, Damasco e zonas do sul como Deraa.

Em todas estas regiões persistem grupos armados rebeldes islâmicos.

No acordo, que tem duração prevista de seis meses, estabelece-se que russos, iranianos e turcos "tomarão todas as medidas necessárias" para continuar a lutar contra os terroristas do Daesh e os islamitas da Frente Al Nusra, que agora se chama Organização de Libertação do Levante e se desvinculou da rede terrorista Al-Qaeda.

Lusa

  • Prosseguem buscas por condutor da carrinha no ataque em Barcelona
    2:38