sicnot

Perfil

Mundo

Casa Branca só decide no final do mês se fica ou sai do acordo de Paris

Jacky Naegelen

A Casa Branca informou esta terça-feira que qualquer decisão sobre a permanência ou retirada dos EUA do acordo de Paris de combate às alterações climáticas só vai ser tomada no final do mês.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, especificou que a decisão só vai ser tomada depois de Donald Trump regressar da cimeira do Grupo dos 7, que vai decorrer em Itália, nos dias 26 e 27 de maio.

Trump tinha prometido em 29 de abril que iria tomar "uma grande decisão" sobre o acordo de Paris "nas próximas duas semanas", prazo que terminava no próximo sábado, dia 13 de maio.

Na Casa Branca, os grandes defensores da saída do acordo, segundo vários relatos da comunicação social, são o estratega chefe de Trump, Stephen Bannon, e o administrador da Agência de Proteção Ambiental, Scott Pruitt.

O compromisso dos EUA, assumido durante a Presidência de Barack Obama, foi de reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa entre 26% e 28%, até 2025, com referência aos níveis registados em 2005.

O instrumento principal com que Obama tencionava cumprir o objetivo era a substituição das centrais elétricas alimentadas a carvão por outras alimentadas a gás natural e energias limpas.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. Esta madrugada em Cambrils, cinco suspeitos foram abatidos e outra pessoa acabou por morrer, num segundo ataque. Há quatro detenções confirmadas. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Autoridades acreditam que suspeito do ataque nas Ramblas pertence a célula terrorista
    1:36
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42