sicnot

Perfil

Mundo

Hominídeo primitivo coabitou com os primeiros homens modernos em África

Siphiwe Sibeko / Reuters

Cientistas sul-africanos concluíram que um hominídeo, descoberto em 2013, viveu ao mesmo tempo que os primeiros humanos há centenas de milhares de anos. Este cenário vem complicar um pouco mais a árvore genealógica da espécie humana.

Siphiwe Sibeko / Reuters

Os investigadores Paul Dirks e Eric Roberts, da Universidade James Cook, dataram o homo naledi no período entre há 236.000 e 335.000 anos, usando fósseis encontrados num sistema de cavernas.

"Quando identificámos os fósseis pela primeira vez, a maioria dos paleoantropólogos na investigação ficou convencida de que teriam um ou dois milhões de anos, mas são muito mais recentes. Isso quer dizer que um hominídeo primitivo persistiu em África por um período de tempo muito longo, muito para além do que se julgava possível", afirmou Dirks.

É a primeira vez que um membro afastado da árvore evolutiva humana é identificado num período em que os primeiros homo sapiens cruzavam o continente africano.

Paul Dirks considerou que a estrutura das mãos do homo naledi pode indicar que fabricava ferramentas, uma vez que no período em que viveu já existiam ferramentas em África.

Eric Roberts apontou a dificuldade de explorar as cavernas em que os fósseis foram encontrados, situadas no chamado Berço da Humanidade, um local perto da cidade de Magaliesburg, no nordeste da África do Sul.

Com passagens apertadas, é composto por duas câmaras, desconhecendo-se por enquanto por que razão os homo naledi ali foram acabar.

"Há um grande debate sobre se é um local funerário ou se ficaram ali presos. Podem ter sido perseguidos por leões ou até por outros humanos, podem não ter conseguido sair. Esta é uma região de grandes tempestades e há vestígios de impactos de meteoritos naquela altura. Pode especular-se o que se quiser, mas por agora subsiste a hipótese original de terem sido postos ali de propósito", afirmou John Hawks, da universidade de Wisconsin.

A ideia de o homo naledi colocar os mortos em câmaras subterrâneas de acesso difícil é comum em relação aos neanderthal, dos quais há prova de rituais funerários numa caverna profunda em Espanha, conhecida como Sima de los Huesos.

"A parte mais excitante do homo naledi é que se tratava de criaturas com cérebros três vezes mais pequenos que os nossos", afirma Hawks, acrescentando que "não estamos a falar de um humano".

No entanto, parece partilhar um comportamento que reconhecemos, um cuidado pelos outros que continua após morrerem, salienta.

"Deslumbra-me pensar que podemos estar a testemunhar as raízes mais profundas das práticas culturais humanas", concluiu.

Lusa

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN interrompeu perto das 13:00 a leitura do acórdão iniciada pelas 10:30. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas.

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Papa pede a Trump para ser pacificador
    1:12
  • Supremo confirma condenação de Messi por fraude fiscal

    Desporto

    O Supremo Tribunal de Justiça espanhol confirma a condenação de Lionel Messi por fraude fiscal. A notícia foi avançada pelo El País. O jogador do Barcelona foi condenado a 21 meses de prisão por três crimes fiscais que lesaram o Estado em 4,1 milhões de euros.

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.