sicnot

Perfil

Mundo

Televisão pública israelita 1 termina emissões em contexto de disputa política

Ronen Zvulun

A cadeia pública televisiva israelita "1" deve terminar as suas emissões na quarta-feira, ao fim de 49 anos de emissão, antecipando a sua extinção, que estava prevista para 15 de maio, foi esta terça-feira anunciado.

Este anúncio ocorre horas antes do parlamento israelita votar a substituição da histórica Autoridade de Radiodifusão (IBA, na sigla em Inglês) por outra entidade.

Hoje à noite, a apresentadora da grande emissão noticiosa da noite da estação televisiva, chamada "Mabat" (Olhar), anunciou, com lágrimas nos olhos, que era a última edição do programa.

Outros jornalistas presentes na estação exprimiram a sua deceção por terem sido avisados à última da hora deste fim antecipado, antes de 15 de maio, quando a IBA deve ser substituída pela Public Broadcasting Corporation (PBC).

Segundo a edição na internet do jornal Haaretz, a "1" já não deve emitir na quarta-feira de manhã e as diferentes estações de rádio pública só devem difundir música.

Não foi divulgado qualquer comunicado oficial para anunciar o fim dos programas e o fecho das cadeias da IBA.

O futuro da radiotelevisão pública em Israel tem estado no centro de um braço de ferro prolongado entre o chefe do governo, Benjamin Netanyahu, e o seu ministro das Finanças.

Enquanto aquele já não quer uma reforma, que chegou a defender, este insiste na sua realização, até por causa das importantes somas já aplicadas na IBA. Netanyahu chegou a ameaçar com a realização de eleições antecipadas, se não fosse conseguido um acordo.

O braço de ferro foi resolvido no final de março, graças a uma montagem complexa, designadamente envolvendo o braço noticioso e informativo na nova entidade.

Oficialmente, a mudança visa dinamizar o serviço público e recuperar o terreno perdido para as estações privadas. Mas numerosos comentadores israelitas atribuem a crise à vontade de Netanyahu controlar a informação.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC