sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento venezuelano aprova "inconstitucionalidade e nulidade" de Assembleia Constituinte

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O parlamento da Venezuela, controlado pela oposição, aprovou na terça-feira um acordo sobre a "inconstitucionalidade e nulidade" do decreto presidencial que convoca a formação de uma Assembleia Constituinte.

No debate, que só contou com a participação de deputados da oposição, foi aprovado o acordo "sobre a inconstitucionalidade e nulidade dos decretos (...) sobre a fraudulenta convocação de uma Assembleia Constituinte feita pelo Presidente" Nicolas Maduro, em conselho de ministros.

O chefe de Estado foi acusado de querer "manter-se no poder" e ignorar "o direito de voto", tendo proposto a "Assembleia Constituinte para ganhar tempo", disse o deputado Omar Barboza, que apresentou o acordo.

"É mais uma assembleia do Partido Socialista Unido da Venezuela (no poder) que uma Constituinte para responder verdadeiramente aos interesses do povo", explicou.

Omar Barboza questionou a falta de soluções para os problemas políticos e económicos do país.

O deputado Luís Florido insistiu que o Presidente Nicolás Maduro "quer fazer uma constituinte sem o povo, impor o socialismo do século XX através da força". "Se Maduro quer converter o Estado em socialista, 80% das pessoas querem uma democracia (...) A democracia venezuelana não se rende aos teus pés, Nicolás Maduro, e vai continuar nas ruas", advertiu.

Os parlamentares venezuelanos defenderam que a convocatória de uma Assembleia Constituinte deve ser submetida a um referendo popular.

A 1 de maio, o Presidente Nicolás Maduro pediu aos venezuelanos para elegerem uma Assembleia Nacional Constituinte cidadã, em defesa a paz e estabilidade da República, de incluir um novo sistema económico, segurança, diplomacia e identidade cultural.

Segundo Nicolás Maduro, como parte das suas "atribuições constitucionais" está a reforma do Estado venezuelano, modificar a ordem jurídica, permitindo a convocatória redigir uma nova Constituição.

Nas últimas seis semanas, os protestos a favor e contra Maduro intensificaram-se e causaram pelo menos 44 mortos e mais de 700 feridos.

Lusa

  • Protestos na Venezuela já provocaram 44 mortos

    Mundo

    Pelo menos 44 pessoas faleceram na Venezuela, entre 1 de abril e 7 de maio, no âmbito de protestos contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Observatório Venezuelano de Conflituosidade Social (OVSC).

  • Lusodescendentes fogem à crise na Venezuela
    2:43

    Mundo

    A oposição venezuelana está decidida a continuar os protestos contra o Presidente Nicolás Maduro. A repressão policial tem aumentado, o que obriga muitos venezuelanos a fugir do país. Alguns lusodescendentes optaram por regressar a Portugal, muitos deixando a família mais próxima.

  • Autópsia à mulher baleada pela PSP contradiz agentes
    1:28

    País

    A mulher que morreu acidentalmente durante uma perseguição da PSP terá sido baleada no pescoço e o trio terá sido disparado por trás. Entretanto, segundo a imprensa, a PJ ainda não encontrou vestígios do tiroteio, entre os assaltantes do multibanco de Almada e a PSP.

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".