sicnot

Perfil

Mundo

Damasco rejeita acusações dos EUA sobre crematório para ocultar corpos

Imagem de satélite da prisão Sednaya perto de Damasco

Department of State/DigitalGlobe/Handout via Reuters

O governo sírio rejeitou hoje as acusações feitas pelos Estados Unidos sobre a alegada existência de um crematório utilizado para eliminar os corpos de presos assassinados numa prisão militar nos arredores da capital síria, Damasco.

"São completamente infundadas as acusações da administração norte-americana contra o executivo sírio sobre o que designam como um crematório na prisão de Saidnaya e sobre o uso de barris explosivos e de armas químicas", afirmou hoje um alto responsável do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Síria.

Na segunda-feira, o secretário-adjunto do Departamento de Estado para o Médio Oriente, Stuart Jones, divulgou que Washington tinha fotografias que provavam que as autoridades sírias tinham construído um crematório junto ao estabelecimento prisional de Saidnaya, a norte de Damasco, onde os corpos dos presos eram incinerados para ocultar as provas de execuções em massa.

O Departamento de Estado norte-americano indicou que 50 detidos são enforcados diariamente na prisão militar de Saydnaya, instalação a cerca de 45 minutos de Damasco.

Em declarações à agência noticiosa oficial SANA, a fonte ministerial síria sublinhou que, como as suas antecessoras, a atual administração norte-americana, liderada por Donald Trump, "tinha vindo com uma nova história de Hollywood, afastada da realidade e sem uma investigação pertinente".

A mesma fonte assegurou, no entanto, que o governo de Damasco "não ficou surpreendido com estas declarações que normalmente são feitas antes do início de qualquer ronda política, seja em Genebra ou em Astana (Cazaquistão)".

Em fevereiro, a Amnistia Internacional já tinha acusado o governo sírio de ter praticado "uma campanha calculada de execuções extra-judiciais" entre 2011 e 2015, na mesma prisão de Saydnaya, que terá resultado na morte de 13 mil pessoas, na sua maioria civis.

"Entre 2011 e 2015, todas as semanas e muitas vezes duas vezes por semana, grupos de até 50 pessoas eram levadas das suas celas prisionais e enforcadas.

Em cinco anos, até 13 mil pessoas, a maioria deles civis considerados opositores do governo, foram enforcadas em segredo em Saydnaya", indicou então o relatório da Amnistia Internacional com o título "Matadouro Humano: Enforcamentos e extermínio em massa na Prisão de Saydnaya, Síria".

Lusa

Department of State/DigitalGlobe/Handout via Reuters

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.