sicnot

Perfil

Mundo

Damasco rejeita acusações dos EUA sobre crematório para ocultar corpos

Imagem de satélite da prisão Sednaya perto de Damasco

Department of State/DigitalGlobe/Handout via Reuters

O governo sírio rejeitou hoje as acusações feitas pelos Estados Unidos sobre a alegada existência de um crematório utilizado para eliminar os corpos de presos assassinados numa prisão militar nos arredores da capital síria, Damasco.

"São completamente infundadas as acusações da administração norte-americana contra o executivo sírio sobre o que designam como um crematório na prisão de Saidnaya e sobre o uso de barris explosivos e de armas químicas", afirmou hoje um alto responsável do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Síria.

Na segunda-feira, o secretário-adjunto do Departamento de Estado para o Médio Oriente, Stuart Jones, divulgou que Washington tinha fotografias que provavam que as autoridades sírias tinham construído um crematório junto ao estabelecimento prisional de Saidnaya, a norte de Damasco, onde os corpos dos presos eram incinerados para ocultar as provas de execuções em massa.

O Departamento de Estado norte-americano indicou que 50 detidos são enforcados diariamente na prisão militar de Saydnaya, instalação a cerca de 45 minutos de Damasco.

Em declarações à agência noticiosa oficial SANA, a fonte ministerial síria sublinhou que, como as suas antecessoras, a atual administração norte-americana, liderada por Donald Trump, "tinha vindo com uma nova história de Hollywood, afastada da realidade e sem uma investigação pertinente".

A mesma fonte assegurou, no entanto, que o governo de Damasco "não ficou surpreendido com estas declarações que normalmente são feitas antes do início de qualquer ronda política, seja em Genebra ou em Astana (Cazaquistão)".

Em fevereiro, a Amnistia Internacional já tinha acusado o governo sírio de ter praticado "uma campanha calculada de execuções extra-judiciais" entre 2011 e 2015, na mesma prisão de Saydnaya, que terá resultado na morte de 13 mil pessoas, na sua maioria civis.

"Entre 2011 e 2015, todas as semanas e muitas vezes duas vezes por semana, grupos de até 50 pessoas eram levadas das suas celas prisionais e enforcadas.

Em cinco anos, até 13 mil pessoas, a maioria deles civis considerados opositores do governo, foram enforcadas em segredo em Saydnaya", indicou então o relatório da Amnistia Internacional com o título "Matadouro Humano: Enforcamentos e extermínio em massa na Prisão de Saydnaya, Síria".

Lusa

Department of State/DigitalGlobe/Handout via Reuters

  • Constitucional chumba algumas normas da lei de barrigas de aluguer

    País

    O Tribunal Constitucional chumbou algumas normas do acórdão sobre as barrigas de aluguer. De acordo com o Expresso, a decisão já foi comunicada à Assembleia da República. A obrigatoriedade da regulamentação da lei ser feita pelo Parlamento e não pelo Governo terá sido unânime.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • A história do bebé que continua a lutar pela vida depois do tribunal ter desligado as máquinas

    Mundo

    Alfie Evans sofre de uma doença cerebral degenerativa. A sua condição levou o caso à justiça e, depois de uma batalha judicial entre os pais e o hospital, os juízes determinaram que as máquinas do suporte artificial de vida fossem desligadas. Apesar de os aparelhos terem sido desligados na segunda-feira à noite, segundo os pais, a criança de 23 meses continua a lutar pela vida, respirando sozinha.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17
  • O recado de Donald Trump à Coreia do Norte 

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, exortou Pyongyang a eliminar todo o seu arsenal nuclear, precisando o que queria dizer exatamente ao apelar para a "desnuclearização" do regime totalitário, antes de uma aguardada cimeira com o líder norte-coreano.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31