sicnot

Perfil

Mundo

Detida pessoa que tentou saltar barreira de segurança da Casa Branca

Joshua Roberts

Os serviços secretos dos Estados Unidos detiveram esta terça-feira uma pessoa que saltou uma das barreiras de segurança que rodeia a residência oficial do Presidente, a Casa Branca, informou fonte oficial.

"Cerca das 04:18 da tarde (21:18 em Portugal) um individuo saltou a barreira de segurança na Avenida Pensilvânia", disse o Serviço Secreto responsável pela segurança de Donald Trump, em comunicado citado pela agência noticiosa Efe.

A pessoa - explica-se no comunicado - tentou então "escalar a vala norte da Casa Branca e foi detida pelos oficiais da divisão uniformizada" e posteriormente "acusada de entrada ilegal e transportada ao Departamento de Polícia".

O Serviço Secreto ativou os protocolos de segurança e pediu às pessoas para que não se aproximassem enquanto decorria a detenção.

No comunicado não são dados pormenores sobre a pessoa que tentou passar a zona de segurança, mas um jornalista presente no local indicou que se tratou de uma mulher.

Os agentes dos serviços secretos obrigaram todos os jornalistas, que estavam nos jardins, a entrar dentro da Casa Branca após o incidente de segurança, disse Trey Yingst, um jornalista da cadeira de televisão One America News.

Nos últimos anos várias pessoas tentaram saltar o perímetro de segurança, o que levou a um visível aumento das medidas de proteção da zona residencial.

Lusa

  • Autópsia à mulher baleada pela PSP contradiz agentes
    1:28

    País

    A mulher que morreu acidentalmente durante uma perseguição da PSP terá sido baleada no pescoço e o trio terá sido disparado por trás. Entretanto, segundo a imprensa, a PJ ainda não encontrou vestígios do tiroteio, entre os assaltantes do multibanco de Almada e a PSP.

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".