sicnot

Perfil

Mundo

Refugiado sarauí constrói casas com garrafas de plástico

ACNUR

Num campo de refugiados no Saara Ocidental, um mestre em Eficiência Energética está a utilizar garrafas de plástico usadas para construir casas. Ele próprio refugiado, tenta deste modo fortalecer as habitações para que consigam passar pelas alterações climáticas.

A história de Tateh Lehbib Breica foi dada a conhecer pelo ACNUR, o Alto Comissariado das Nações Unidos para os Refugiados, num vídeo publicado na página do Facebook, onde foi apresentada a concepção e desenvolvimento destas casas.

"Perguntei-me a mim mesmo "O que posso fazer com estas garrafas?", disse Breica, numa entrevista publicada no site oficial da ACNUR.

A primeira ideia foi construir apenas uma casa sustentável para a sua avó, usando as garrafas de plástico para o teto. Contudo, quando o homem de 27 anos terminou essa casa, a sua ideia foi selecionada pela organização para ser financiada.

Tateh Lehbib Breica nasceu e foi criado no campo de refugiados de Awserd, no Saara Ocidental, estudou na Universidade de Argel com uma bolsa de estudos e, mais tarde, tirou um mestrado numa universidade em Espanha. Durante os estudos, Breica viu um documentário sobre construções com garrafas de águas. Foi daí que veio a ideia, que mais tarde se tornou bastante útil para os refugiados do Saara.

Hoje em dia, o clima do deserto em Tindouf - que inclui tempestades, fortes chuvas e temperaturas até aos 45 graus - danifica muitas vezes as casas de refugiados, que normalmente são tendas ou feitas de tijolos de barro. Uma tempestade em 2015, por exemplo, destruiu milhares de casas naquela área.

Aqui entra a ideia de Tateh Lehbib Breica. As casas feitas a partir de garrafas de plástico apresentam uma estrutura que irá durar mais tempo perante a chuva forte. A forma circular também as faz serem aerodinâmicas, o que ajuda durante as tempestades de areia.

Desde 2016, o engenheiro tem estado a trabalhar em conjunto com o ACNUR e, até ao momento, já foram construídas 25 casas entre os cinco campos de refugiados sarauí na área.

ACNUR

Breica usa cerca de seis mil garrafas de plástico em cada casa. As garrafas são encontradas e recolhidas pelos campos de refugiados e a vizinhança.

Cada recipiente é cheio com areia e palha, e depois tapado com cimento e calcário. As casas não só ajudam a resolver o problema do tempo complicado, mas também resolvem outro problema: o desperdício do plástico.

Em reconhecimento do seu trabalho, Breixa recebeu o prémio de Personalidade do ano 2016, de uma revista local. Já no campo de refugiados, passou a ser conhecido como o "Maluco por garrafas".

"As pessoas vêm-me como o homem obcecado por garrafas de plástico e que constrói casas estranhas."

  • A semana em revista

    Mundo

    Com a semana a chegar ao fim, a SIC Notícias apresenta-lhe, num único artigo, os destaques que marcaram a atualidade nos últimos dias. Um espaço onde pode ficar a saber, ou simplesmente recordar, os temas que marcaram a semana noticiosa.

    André de Jesus