sicnot

Perfil

Mundo

Virgin entrega petição com um milhão de assinaturas pelos oceanos

© Lucy Nicholson / Reuters

O patrão da multinacional Virgin apresentou esta sexta-feira às Nações Unidas uma petição assinada por mais de um milhão de pessoas que exigem aos governos que consigam a proteção de 30% dos oceanos até 2030.

Aos jornalistas, Richard Branson afirmou que se pretende a criação de reservas marinhas para reconstituir os bancos de peixe e destacou os efeitos das alterações climáticas na grande barreira de coral da Austrália.

Com um total de 1.021.874 assinaturas, a petição foi apresentada ao presidente da Assembleia-Geral da ONU, Peter Thomson, no último dia da conferência sobre os oceanos promovida pela organização.

Conseguir um mundo sem emissões carbónicas em 2050 também faz sentido "de um ponto de vista económico", frisou, criticando o que chamou ingenuidade do Presidente norte-americano, Donald Trump, por ter retirado os Estados Unidos do acordo de Paris sobre alterações climáticas.

"A energia limpa é um melhor mercado do que a energia suja e toda a gente pode beneficiar", indicou.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.