sicnot

Perfil

Mundo

Tribunais russos começaram a condenar participantes nas manifestações de segunda-feira

Os tribunais russos começaram esta terça-feira a condenar apoiantes do opositor do regime Alexei Navalny, ele mesmo condenado a 30 dias de prisão, um dia depois de manifestações contra a corrupção que se saldaram em 1.700 detenções.

As manifestações anticorrupção, sobretudo em Moscovo e São Petersburgo, surgiram na sequência de um apelo de Navalny e foram consideradas pelo Kremlin "uma provocação".

Pelo menos 14 pessoas em São Petersburgo foram condenadas a 10 dias de prisão e ao pagamento de uma multa de 10.000 rublos (156 euros) . Os manifestantes enfrentam penas até 15 dias de prisão, uma sentença que pode ser agravada se forem considerados culpados de violência contra as forças de segurança.

Ilia Lachine, opositor do regime de Vladimir Putin, disse, citado pela agência de notícias France Press, que foi detido na segunda-feira e condenado a 15 dias de prisão, uma sentença da qual vai recorrer.

Dois manifestantes estão a ser alvo de um processo por terem usado violência contra as forças de segurança e arriscam uma pena de prisão até cinco anos, segundo o Comité de Investigação.

Ao todo, a polícia prendeu 1.720 pessoas em toda a Rússia.

Milhares de pessoas responderam ao apelo de Alexei Navalny para irem para as ruas das cidades do país e denunciarem a corrupção, de Vladivostok, no extremo oriente, a Calininegrado, no mar Báltico.

Em Moscovo os manifestantes juntaram-se na rua Tverskaia, artéria central da cidade junto da Praça Vermelha e do Kremlin. As forças de segurança reagiram com golpes de cassetete e prisões em massa.

Apesar das milhares de detenções e condenações numa outra manifestação em março, os estudantes responderam à mobilização e voltaram a sair para as ruas.

Navalny já tinha sido condenado a 15 dias de prisão após manifestações, a 26 de março, com uma adesão que não se via na Rússia há muitos anos.

Nalvany lidera uma campanha anticorrupção na internet e anunciou a intenção de desafiar o Presidente, Vladimir Putin, nas eleições presidenciais de 2018.

Na noite de segunda-feira a União Europeia e os Estados Unidos condenaram as detenções na Rússia.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.