sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump usa Twitter para contestar alargamento de investigações da Rússia

Olivier Douliery / POOL

O presidente norte-americano, Donald Trump, está a usar o Twitter para contestar relatórios sobre o alargamento das investigações à Rússia que visam determinar se praticou obstrução à justiça.

Num comentário colocado hoje cedo no Twitter, Donald Trump escreve: "Eles inventaram uma falsa história de conluio com os russos, encontraram zero provas, então optam por me acusar de obstrução de justiça da história falsa. Bonito.”

O Washington Post noticiou, na noite de quarta-feira, que o Donald Trump está a ser investigado por eventual obstrução à justiça.

A investigação está a ser feita pelo procurador especial que lidera o inquérito sobre a possível ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas, em 2016, Robert Mueller.

Este procurador tinha sido nomeado para o caso russo depois da demissão, em maio, do então diretor do FBI, polícia federal, James Comey.

O procurador independente Robert Mueller está a interrogar os chefes dos serviços de informações para determinar se Trump tentou travar ou bloquear o inquérito que até agora incidia sobre aquela interferência, assim como sobre um possível conluio entre os próximos de Trump e os dirigentes russos, segundo o Washington Post, que cita fontes anónimas.

Os funcionários em causa são Dan Coats, diretor da inteligência nacional, Michael Rogers, chefe da Agência Nacional de Segurança, e Richard Ledgett, o ex-vice-diretor da Agência Nacional de Segurança.

Este alargamento da investigação é um "ponto de viragem", sublinha o Washington Post, que acrescenta eventuais delitos financeiros, entre os colaboradores do milionário norte-americano, como alvo dos investigadores.

Trump tinha-se congratulado na semana passada pelas declarações de Comey, que afirmou que o Presidente norte-americano não estava a ser objeto de inquérito pelo FBI no quadro da questão russa, enquanto esteve a dirigir a polícia federal.

Mas, ainda segundo as fontes da publicação, a situação mudou "rapidamente depois da demissão de Comey", em 9 de maio.

Robert Mueller foi nomeado procurador especial para este assunto para garantir a independência do inquérito na semana seguinte, em 17 de maio.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28