sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump usa Twitter para contestar alargamento de investigações da Rússia

Olivier Douliery / POOL

O presidente norte-americano, Donald Trump, está a usar o Twitter para contestar relatórios sobre o alargamento das investigações à Rússia que visam determinar se praticou obstrução à justiça.

Num comentário colocado hoje cedo no Twitter, Donald Trump escreve: "Eles inventaram uma falsa história de conluio com os russos, encontraram zero provas, então optam por me acusar de obstrução de justiça da história falsa. Bonito.”

O Washington Post noticiou, na noite de quarta-feira, que o Donald Trump está a ser investigado por eventual obstrução à justiça.

A investigação está a ser feita pelo procurador especial que lidera o inquérito sobre a possível ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas, em 2016, Robert Mueller.

Este procurador tinha sido nomeado para o caso russo depois da demissão, em maio, do então diretor do FBI, polícia federal, James Comey.

O procurador independente Robert Mueller está a interrogar os chefes dos serviços de informações para determinar se Trump tentou travar ou bloquear o inquérito que até agora incidia sobre aquela interferência, assim como sobre um possível conluio entre os próximos de Trump e os dirigentes russos, segundo o Washington Post, que cita fontes anónimas.

Os funcionários em causa são Dan Coats, diretor da inteligência nacional, Michael Rogers, chefe da Agência Nacional de Segurança, e Richard Ledgett, o ex-vice-diretor da Agência Nacional de Segurança.

Este alargamento da investigação é um "ponto de viragem", sublinha o Washington Post, que acrescenta eventuais delitos financeiros, entre os colaboradores do milionário norte-americano, como alvo dos investigadores.

Trump tinha-se congratulado na semana passada pelas declarações de Comey, que afirmou que o Presidente norte-americano não estava a ser objeto de inquérito pelo FBI no quadro da questão russa, enquanto esteve a dirigir a polícia federal.

Mas, ainda segundo as fontes da publicação, a situação mudou "rapidamente depois da demissão de Comey", em 9 de maio.

Robert Mueller foi nomeado procurador especial para este assunto para garantir a independência do inquérito na semana seguinte, em 17 de maio.

Lusa

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Um encontro português (e inesperado) em alto mar
    2:38

    País

    A SIC tem estado a acompanhar a viagem de um navio-patrulha da Marinha Portuguesa, que está em missão de fiscalização junto à Terra Nova, no Canadá. Nos últimos dias, o navio cruzou-se com embarcações de Vila do Conde, um encontro inesperado e feliz para quem anda há mais de um mês em alto mar. 

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22