sicnot

Perfil

Mundo

UNICEF diz que ajuda para crianças sírias está ameaçada

Khalil Ashawi

A crítica escassez de financiamento está a ameaçar a ajuda a nove milhões de crianças sírias, quer no país quer as que estão refugiadas nos países vizinhos, anunciou esta sexta-feira o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

"Sem novos fundos, algumas atividades essenciais estão em sério risco de serem cortadas, com graves consequências para as crianças", acrescentou a UNICEF.

Aquela agência da ONU disse ainda que faltam 220 milhões de dólares (196,5 milhões de euros) para preencher a verba total de 1,4 mil milhões de dólares (1,250 mil milhões de euros) que pediu em 2017 para financiar os seus programas de assistência na Síria.

A UNICEF adiantou que cerca de seis milhões de crianças síria precisam de assistência e outras 2,5 milhões também necessitam de serem apoiadas nos países vizinhos.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.