Mundo

Grupo armado seguidor do Daesh assalta escola no sul das Filipinas

Um grupo armado seguidor do Daesh nas Filipinas barricou-se hoje, durante algumas horas, numa escola no sul do país, a mesma região onde outra organização jihadista combate o exército há um mês.

O assalto foi perpetrado por alegados membros dos Combatentes pela Liberdade Islâmica do Bangsamoro (BIFF, em inglês), numa escola de Pigcawayan, província de Cotabato, onde os rebeldes retiveram vários civis, incluindo crianças.

Durante o incidente, houve troca de tiros entre os rebeldes e o exército, disse à Efe Realan Mamon, inspetor da polícia de Pigcawayan, uma localidade de cerca de 66.000 habitantes.

O porta-voz das Forças Armadas, Restituto Padilla, confirmou em conferência de imprensa que os assaltantes se retiraram pouco depois sem que se registassem vítimas e que as autoridades estão a investigar se os atacantes levaram cinco civis como reféns.

Padilla distanciou este incidente da violência na cidade de Marawi, a uma centena de quilómetros a norte de Pigcawayan, onde o exército mantém os combates contra o também jihadista Grupo Maute.

A cidade de Marawi (sul), localidade maioritariamente muçulmana num país maioritariamente católico, tem sido cenário nas últimas semanas de confrontos entre centenas de combatentes com ligações ao Daesh e as forças armadas filipinas, que têm avançado com ataques aéreos, operações de artilharia e tropas no terreno numa tentativa de neutralizar os avanços dos extremistas.

Pelo menos 178 pessoas morreram desde o início dos confrontos, segundo as autoridades filipinas.Num comunicado divulgado no dia 5 deste mês, a embaixada dos Estados Unidos nas Filipinas anunciou que Washington entregou às forças armadas filipinas um lote de armamento especial para ajudar o governo de Manila a combater os extremistas islâmicos em Marawi.

As forças armadas filipinas já confirmaram que entregaram o armamento doado pelos Estados Unidos aos soldados que lutam há 13 dias contra os membros do grupo Maute, uma milícia local com ligações ao Daesh, e outros jihadistas em Marawi.

Os extremistas assumiram o controlo parcial da cidade no passado 23 de maio e incendiaram várias estruturas daquela localidade, como foi o caso de uma esquadra de polícia, uma escola, uma prisão e uma igreja. Também fizeram reféns entre os civis e desfilaram nas ruas de Marawi com bandeiras associadas ao EI.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC