sicnot

Perfil

Mundo

Observatório denuncia bombardeamentos do exército sírio antes do cessar-fogo

Alaa Faqir

Helicópteros do exército sírio efetuaram na manhã de hoje bombardeamentos no sudoeste da Síria, horas antes do cessar-fogo anunciado pela Rússia e Estados Unidos, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Os ataques, que incluíram o lançamento de dois mísseis, aconteceram pouco depois da meia-noite, segundo o Observatório, adiantando que, desde então, reina a calma tanto em Deraa como nas províncias de Al Quneitra e Al Sueida, abrangidas pelo fim das hostilidades.


Na sexta-feira, os Estados Unidos e a Rússia chegaram a um acordo para o cessar-fogo no sudoeste na Síria, depois da reunião entre os líderes dos dois países, Donald Trump e Vladimir Putin, à margem da cimeira das 20 maiores economias mundiais, o G20, que terminou sábado em Hamburgo, na Alemanha.


No último mês, aquelas províncias sírias foram palco de um aumento da violência, especialmente Deraa, cuja capital é considerada o "berço da revolução" desde que começaram, em março de 2011, os protestos antigovernamentais que levaram ao conflito atual.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38