sicnot

Perfil

Mundo

Combates esporádicos em Mossul após declaração da vitória iraquiana

Thaier Al-Sudani

A cidade de Mossul foi, hoje, cenário de combates esporádicos, depois de o primeiro-ministro do Iraque ter declarado "vitória total" sobre os extremistas do Daesh, que ocupavam a cidade no norte do país.

De acordo com a Associated Press, além de disparos de morteiros, por parte do autoproclamado Estado Islâmico, na zona ocidental da cidade velha foi também efetuado um 'raid' aéreo sobre a zona.

As últimas informações indicam que ainda existem bolsas de resistência dos extremistas islâmicos, pouco depois de as autoridades iraquianas terem anunciado o controlo total de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, ocupada pelo Estado Islâmico durante os últimos três anos.

A Amnistia Internacional difundiu um relatório sobre Mossul referindo que os confrontos criaram uma "catástrofe" para os civis: os extremistas estão a forçar a deslocação de pessoas; verificaram-se fuzilamentos e os habitantes da cidade estão a ser utilizados como escudos humanos.

O relatório também indica alegadas violações cometidas pelas forças iraquianas e pela coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

"A escala e a gravidade relacionada com as vítimas civis durante a operação militar para reconquistar Mossul tem de ser do conhecimento público - e ao mais alto nível - pelos governos do Iraque e dos Estados da coligação que integra os Estados Unidos", disse Lynn Maalouf, da direção da Amnistia Internacional para o Médio Oriente.

O relatório refere-se aos primeiros cinco meses do ano e nota que as forças do Daesh forçaram a deslocação de civis na cidade, impedindo a população de abandonar Mossul. A circunstância criou zonas de combate habitadas pela população civil, sendo que as "forças iraquianas e a coligação chefiada pelos Estados Unidos falharam ao não conseguirem adotar as táticas militares à situação no terreno".

Estima-se que "milhares de civis" morreram durante os combates, segundo as autoridades provinciais de Nineveh, que não inclui as vítimas de desabamento de edifícios.

Por outro lado, as Forças Armadas do Iraque não divulgaram o número de militares mortos durante as operações.

Segundo as Nações Unidas, a maior parte dos 897 mil deslocados civis de Mossul não vão regressar à cidade, devido ao elevado nível de destruição provocada pela guerra.

"Não se enganem. Esta vitória, por si só, não eliminou o Estado Islâmico e ainda há duros combates pela frente", disse, segunda-feira, o tenente-general Stephen Townsend, comandante das forças norte-americanas no Iraque, logo após as declarações do primeiro-ministro iraquiano.

Entretanto, o alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos do Homem, Zeid Ra'ad Al Hussein, apelou hoje à "justiça" e à reconciliação".

Através de um comunicado difundido em Genebra, Zeid afirma que o Iraque deve promover uma série de desafios relacionados com direitos humanos com o objetivo de proteger as populações civis.

O alto-comissário refere, também, que os atos praticados pelo Daesh durante os últimos três anos em Mossul devem ser julgados a nível internacional.

Em particular, Zeid, frisa a situação da comunidade yazidi acrescentando que 1.636 mulheres e crianças do sexo feminino, assim como 1.733 homens e rapazes continuam desaparecidos.

Lusa

  • "Há uma grande diferença em relação à anterior liderança do PSD"
    14:29

    País

    O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. As novas relações com o PSD e a reprogramação do Portugal 2020 foram alguns dos temas de conversa. Pedro Marques defende que existe "uma grande diferença" entre as lideranças de Passos Coelho e Rui Rio no PSD.

    Entrevista SIC Notícias

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.