sicnot

Perfil

Mundo

Lula anuncia candidatura presidencial um dia após condenação

Ueslei Marcelino

O ex-Presidente do Brasil, Lula da Silva, anunciou esta quinta-feira que se vai candidatar às eleições presidenciais do próximo ano, um dia depois de ter sido condenado a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

"Se alguém pensa que com esta sentença me tirará do jogo, podem saber que eu estou no jogo. E agora quero dizer ao meu partido, a quem até agora não tinha reivindicado, mas vou reivindicar, o direito de me colocar como postulante à Presidência da República em 2018", declarou Lula da Silva durante uma conferência de imprensa.

"Quem tem o direito de decretar o meu fim [político] é o povo brasileiro", completou.

A decisão de Lula é anunciada um dia após a condenação no âmbito da Operação Lava Jato, naquela que foi uma decisão inédita na história do Brasil: nunca um ex-Presidente havia sido condenado por corrupção.

Ainda assim, o ex-Presidente brasileiro não vai ser preso de imediato. Como explica a revista brasileira Veja, Sergio Moro é um juiz de primeira instância e, de acordo com o Supremo Tribunal Federal, as penas dadas por elementos judiciais de 1º grau só entram em vigor se forem confirmadas por uma entidade judicial superior. A análise à sentença poderá demorar até ano e meio.

Sobre o juiz Sérgio Moro, responsável pela sentença que o condenou, o antigo chefe de Estado disse que já esperava a decisão, já que o magistrado teria que prestar contas à imprensa que o havia condenado por antecipação.

"Obviamente que o [Sérgio] Moro não tem que prestar contas para mim. Eu acho que o Moro deve prestar conta para a história, assim como eu devo prestar conta para a história. A história na verdade é que vai dizer quem está certo quem está errado", disse o ex-Presidente.

Lula da Silva foi acusado de ter recebido um apartamento de luxo de três andares, da empreiteira OAS, para favorecer interesses ilícitos da construtora em contratos com a Petrobras.

A acusação refere ainda que o ex-Presidente recebeu um terreno da empresa Odebrecht como forma de suborno para favorecer interesses da empresa junto do Governo.

Lula negou todas as acusações na primeira vez em que compareceu perante a Justiça federal brasileira, a 10 de maio passado.

Uma sondagem recente apontava mesmo Lula como favorito para vencer as eleições presidenciais brasileiras do próximo ano, às quais o ex-Presidente já tinha manifestado intenção de concorrer.

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.