sicnot

Perfil

Mundo

Líder opositor venezuelano pede que Temer abra corredor humanitário

Andres Martinez Casares

O líder da oposição venezuelana Leopoldo López agradeceu esta sexta-feira ao Presidente brasileiro, Michel Temer, o apoio recebido enquanto esteve detido e solicitou a abertura de um corredor humanitário para distribuição de alimentos na Venezuela.

"Lopez reconheceu o apoio do Brasil nos dias mais difíceis na prisão. Ele pediu um corredor humanitário para o transporte de alimentos e medicamentos para as pessoas da Venezuela", informou Michel Temer na rede social Twitter.

De acordo com o presidente brasileiro, Leopoldo Lopez, que deixou no sábado passado à prisão domiciliar "pareceu bem-disposto e firme na sua luta pelo restabelecimento da democracia na Venezuela".

Por seu lado, Michel Temer reafirmou o apoio do Brasil "à plena liberdade" e expressou o seu "repudio pelas prisões política".

"O Brasil está ao lado do povo venezuelano. Há que respeitar o Estado de Direito, a democracia, os direitos humanos", acrescentou o chefe e Estado brasileiro.

Leopoldo López, preso em fevereiro de 2014 e condenado por acusações relacionadas com a violência que eclodiu na sequência de uma manifestação da oposição, foi libertado a 8 de julho da prisão militar Ramo Verde e colocado sob prisão domiciliária por causa de "problemas de saúde ", como disse o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela.

A venezuelana Lilian Tintori, esposa de Leopoldo López, visitou Brasília em maio passado, onde se reuniu com Michel Temer.

Também foi recebida no Senado e reuniu-se com o presidente da Câmara dos Deputados (câmara baixa parlamentar), Rodrigo Maia.

A Venezuela vive desde 1 de abril uma onda de manifestações a favor e contra o Governo do presidente Nicolás Maduro, algumas com atos violentos de que resultaram já 94 mortos e mais de mil feridos.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.