sicnot

Perfil

Mundo

Madonna diz que Whitney Houston e Sharon Stone são "horrivelmente medíocres"

Vincent Kessler

A rainha da pop escreveu uma carta ao ator John Enos nos anos 90 a criticar Whitney Houston e Sharon Stone. Madonna considerou as carreiras das artistas como "horrivelmente medíocres".

A rainha da pop começou por dizer na carta que se sentia "muito desconfortável" na sua pele, que estava sempre de mau humor e que "preferia morrer" do que ser como Whitney Houston ou Sharon Stone.

"Deixei tanta gente irritada, que estou a ser castigada e basicamente, fui feita para ficar calada e ficar no meu canto, enquanto outras pessoas menos interessantes e excitantes estão a colher os benefícios das estradas que pavimentei. Talvez tenha sido isto que as pessoas negras sentiram quando o Elvis, finalmente, se tornou grande.", revelou a artista de 68 anos.

Madonna revelou ainda invejar a carreira musical de Whitney Houston e a carreira cinematográfica de Sharon Stone.

"É inequivocamente frustrante ver que a Whitney Houston tem a carreira na música que eu desejava ter e que a Sharon Stone tem a carreira de cinema que nunca tive. Não é por querer ser estas mulheres, porque preferia morrer, mas elas são tão horrivelmente medíocres e são vistas como modelos ideais de virtudes e um género de padrão para me humilhar" confessou a rainha da pop.

"Tudo o que faço é tão original e único e coloquei tanto de mim no meu livro e nas canções e apenas me têm trazido mágoa e dor", revelou Madonna na carta escrita nos anos 90.

A carta vai ser leiloada na próxima semana e pode atingir os 4.300 euros.

Sharon Stone reagiu na quinta-feira na rede social Facebook, após a divulgação da carta.

A atriz lamenta a divulgação pública da carta e confessa o carinho que tem pela cantora norte-americana.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.