sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 71 mil casas sem eletricidade em Santiago do Chile

Esteban Felix

Mais de 71 mil casas estão sem eletricidade em Santiago do Chile devido ao forte nevão que se registou no sábado passado, informou a Enel, empresa que administra o fornecimento de energia elétrica a grande parte da capital chilena.

Os bairros mais afetados são Las Condes, Vitacura, La Reina, La Barmechea, Ñuñoa e Providencia, na zona oriental da capital, onde há utentes há mais de 30 horas sem eletricidade.

O forte nevão que afetou no sábado Santiago do Chile foi o mais intenso das últimas décadas, tendo derrubado centenas de árvores e causou danos em postes elétricos, noticia a agência Efe.

Uma pessoa morreu e duas outras ficaram feridas, devido à queda de neve, que dificultou o tráfego na capital, que conta mais de sete milhões de habitantes, apesar de hoje a situação estar normalizada.

A empresa Enel assegurou hoje que as suas equipas estão a trabalhar dia e noite para repor a distribuição de eletricidade, que esteve cortada em 300 mil casas.

O temporal de neve, causado por uma onda de frio polar, que afetou nove regiões chilenas, de Coquimbo até Los Lagos.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38