sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 71 mil casas sem eletricidade em Santiago do Chile

Esteban Felix

Mais de 71 mil casas estão sem eletricidade em Santiago do Chile devido ao forte nevão que se registou no sábado passado, informou a Enel, empresa que administra o fornecimento de energia elétrica a grande parte da capital chilena.

Os bairros mais afetados são Las Condes, Vitacura, La Reina, La Barmechea, Ñuñoa e Providencia, na zona oriental da capital, onde há utentes há mais de 30 horas sem eletricidade.

O forte nevão que afetou no sábado Santiago do Chile foi o mais intenso das últimas décadas, tendo derrubado centenas de árvores e causou danos em postes elétricos, noticia a agência Efe.

Uma pessoa morreu e duas outras ficaram feridas, devido à queda de neve, que dificultou o tráfego na capital, que conta mais de sete milhões de habitantes, apesar de hoje a situação estar normalizada.

A empresa Enel assegurou hoje que as suas equipas estão a trabalhar dia e noite para repor a distribuição de eletricidade, que esteve cortada em 300 mil casas.

O temporal de neve, causado por uma onda de frio polar, que afetou nove regiões chilenas, de Coquimbo até Los Lagos.

Lusa

  • Carro do suspeito de rapto de Maelys fotografado por radar a alta velocidade
    1:16

    Mundo

    Praticamente um mês depois do desaparecimento de Maelys de Araújo, as autoridades francesas continuam a fazer buscas para tentar encontrar a menina lusodescendetnte de 9 anos. Entretanto, um jornal francês revelou que o carro do homem suspeito de rapto terá sido fotografado, por um radar, a alta velocidade na noite do desparecimento.

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.