sicnot

Perfil

Mundo

"Bosque da memória" recorda vítimas do voo MH17, três anos depois da tragédia

POOL New

Cada uma das 298 pessoas que morreram na queda do voo MH17 da Malaysia Airlines em julho de 2014 no leste da Ucrânia foram esta segunda-feira recordadas na Holanda durante a inauguração de um monumento dedicado à sua memória.

Três anos depois do acidente, perto de 2.000 familiares e amigos das vítimas, das quais 196 eram cidadãos holandeses, participaram na inauguração do "bosque da memória", onde foram plantadas 298 árvores, uma por cada pessoa que perdeu a vida no acidente.

Cada árvore está identificada com um nome de uma vítima. Por exemplo, uma macieira em flor será dedicada a Gary, um adolescente de 16 anos oriundo da cidade holandesa de Roterdão, cujo corpo ainda não foi recuperado.

O "bosque" fica localizado no parque de Vijfhuizen, nas imediações do aeroporto internacional Amsterdam-Schiphol, de onde descolou o aparelho em julho de 2014.

O avião de passageiros da Malaysia Airlines, um Boeing 777, foi abatido a 17 de julho de 2014 sobre o leste da Ucrânia, numa zona sob controlo dos separatistas pró-russos, matando todas as 298 pessoas (tripulantes e passageiros) que seguiam a bordo.

Segundo o relatório final da investigação preliminar liderada pelo Departamento de Segurança da Holanda, divulgado em junho de 2016, o avião que fazia a ligação entre Amesterdão (Holanda) e Kuala Lumpur (Malásia), foi abatido por um míssil terra-ar BUK, de fabrico russo, que atingiu o aparelho do lado esquerdo do cockpit.

Na cerimónia desta segunda-feira, e na presença dos reis da Holanda, Willem-Alexander e Maxima, as famílias e amigos das vítimas leram o nome de cada passageiro e de cada tripulante.

POOL New

Um grupo de 17 crianças de Vijfhuizen depositou as primeiras flores junto ao memorial. Seguindo-se os mais próximos das vítimas holandesas, mas também das vítimas que eram oriundas de países como a Austrália, Malásia, Reino Unido e Alemanha.

A bordo do avião estavam pessoas de 17 nacionalidades diferentes.

Estas "298 árvores querem manter viva a memória das vítimas", indicou a fundação das vítimas do voo MH17, num comunicado.

A fundação realçou que este "bosque verde" pretende ser "um oásis de reflexão, conforto e esperança".

Girassóis serão plantados no verão numa referência aos campos de flores ucranianos, onde foram encontradas algumas partes do aparelho.

Financiado por doações, o projeto do memorial foi desenvolvido pelo artista Ronald A. Westerhuis e pelo arquiteto paisagista Robbert de Koning. O projeto foi escolhido em novembro de 2015 por 60% dos familiares das vítimas, que tiveram que votar entre três propostas.

Segundo a descrição dos media holandeses, o memorial terá uma estrutura de aço que representa um olho a olhar para o céu. Os nomes das 298 vítimas vão estar igualmente gravados na pupila do olho de aço.

Durante a investigação conduzida pelas autoridades holandesas, uma centena de pessoas "que desempenharam um papel ativo" na queda do aparelho foram identificadas pelos investigadores.

Três anos depois, os alegados responsáveis não foram ainda detidos, mas as autoridades holandesas anunciaram no início de julho que estas pessoas serão julgadas na Holanda.

Lusa

  • Presidente do Tondela diz que clube foi humilhado
    1:26

    Desporto

    O presidente do Tondela participou esta segunda-feira na conferência de imprensa após o jogo da 23.ª jornada da I Liga com o Sporting. Gilberto Coimbra criticou o árbitro do encontro João Capela, e diz que o tempo de compensação dado a mais foi por uma falta que não foi assinalada sobre um jogador do Tondela, Bruno Monteiro.

  • Último golo do Sporting ao Tondela "é legal e limpinho" 
    0:41

    Desporto

    Jorge Jesus entende que a vitória desta segunda-feira do Sporting frente ao Tondela não merece contestação e destaca o facto de o árbitro ter avisado os jogadores que iria prolongar o tempo extra. Para o treinador dos leões, o golo no minuto 99' é legal. 

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC