sicnot

Perfil

Mundo

Ex-presidentes sul-americanos impedidos de de visitar opositor da Venezuela em domiciliária

Christian Veron

As autoridades venezuelanas impediram os ex-presidentes da Bolívia Jorge Quiroga e da Costa Rica Miguel Ángel Rodríguez de visitar Leopoldo López sob prisão domiciliária, denunciou a mulher do opositor, que cumpre uma pena de quase 14 anos.

"A ditadura não permitiu que os presidentes Quiroga e Rodríguez pudessem ver Leopoldo em nossa casa", escreveu, na rede de mensagens instantâneas Twitter, a mulher de López, Lilian Tintori, que difundiu, no domingo à noite, uma fotografia em frente à sua casa, em Caracas, acompanhada dos dois ex-presidentes.

Qurioga e Rodríguez integram um grupo de cinco ex-presidentes de vários países da América Latina que participaram no domingo como observadores no referendo simbólico contra o projeto de Assembleia Constituinte promovido pelo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Os outros três ex-governantes que marcaram presença no domingo na Venezuela foram o mexicano Vicente Fox, o colombiano Andrés Pastrana e da Costa Rica Laura Chinchilla.

Os cinco políticos manifestaram apoio à consulta convocada pela oposição à margem do Governo, e visitaram vários centros em Caracas onde decorreu o referendo da oposição.

Leopoldo López votou a partir de casa.López foi transferido no passado dia 08 para a sua casa após mais de três anos e quatro meses numa prisão nos arredores da capital venezuelana.

O fundador do partido Vontade Popular continua em casa a cumprir a pena a que foi condenado em 2015, ao ser declarado responsável pela morte de três pessoas pela violência ocorrida numa manifestação convocada por López e três dirigentes da oposição.

Pelo menos uma pessoa morreu no domingo a oeste da capital da Venezuela quando um grupo de homens armados disparou contra um dos postos onde se votava no referendo promovido pela oposição, relataram várias fontes.Apesar de não ser reconhecida pelo governo, a consulta tinha decorrido com normalidade até então.

Os organizadores já tinham admitido recear a violência dos "colectivos", grupos de apoiantes de Nicolás Maduro como os que no passado dia 05 invadiram o parlamento dominado pela oposição e feriram vários deputados.

No referendo perguntava-se aos venezuelanos se rejeitam a Assembleia Constituinte que deverá entrar em funções no próximo dia 30, que os opositores de Maduro consideram que se destina a "consolidar uma ditadura".

Perguntava-se ainda se os cidadãos querem novas eleições.Desde 01 de abril morreram 94 pessoas durante a vaga de protestos contra o governo.

Com Lusa

  • Sismo registado esta manhã na região de Lisboa

    País

    Um sismo foi sentido esta manhã na região da Grande Lisboa. O abalo foi registado às 7h44, com epicentro em Sobral de Monte Agraço e magnitude de 4.3, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

    Em atualização

  • "É terrorismo, politiquice e interesse económico"
    0:45

    País

    A situação em Mação, no distrito de Santarém, continua muito complicada para os operacionais e para as populações que tentam combater as chamas. Os populares dizem que é de "lastimar" a aflição que se vive.

  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.