Mundo

Grupo armado apela à luta para derrubar Governo venezuelano

O grupo "Resistência" armado durante o apelo.

Um grupo armado, autodenominado "Resistência", apelou hoje à luta para derrubar o Governo da Venezuela, porque o tempo das eleições e do diálogo "já passou".

"Somos profissionais militares e policiais, ativos e reformados, organizados, treinados e armados. Decidimos dar um passo em frente como parte da operação 'David' para contribuir para a libertação do nosso povo e resgatar a democracia", afirmou uma voz, alegadamente a do líder do grupo de oito pessoas, ao centro de um vídeo divulgado na rede de mensagens instantâneas Twitter do grupo.

O grupo de oito homens encapuzados, vestidos de preto e armados, que surge à frente da bandeira do país, fez "um apelo ao bravo povo da Venezuela para que se una à luta de todos, nas redes, em casa, nas ruas, contra a ditadura comunista".

"Temos o dever de recuperar a pátria. Mantenhamos a pressão nas ruas e não descuidemos os nossos guerreiros (jovens que enfrentam as forças de segurança) que com a sua luta conseguiram chamar a atenção das nações do mundo sobre o que acontece na Venezuela e tiraram a máscara a este regime", afirmou.

Na mensagem, o grupo pede também a participação dos militares na "luta e a caminhar com o povo de Venezuela". "Organizem-se em grupos de extrema confiança e planeiem golpes contra a força repressora. O tempo do diálogo já passou, assim como o das eleições", sublinhou ainda.

O grupo dirigiu-se também aos políticos da oposição venezuelana, afirmando: "Chega de enganar o povo só para manter quotas de poder, que vocês bem sabem não nos livrarão desta ditadura castro-comunista". "Respondamos às balas com balas", declarou.

"Aos companheiros de armas, ativos, chegou o momento de atuar, não deixem que o alto comando militar que tem permitido abertamente a corrupção, o narcotráfico, o tráfico de armas, violações dos direitos humanos e torturas continue a defender este Governo", prosseguiu.

Segundo o grupo, os oficiais foram testemunhas "da grande fraude de 30 de julho", dia da eleição para a Assembleia Constituinte, precisando que "os números dados não são os números reais contabilizados nas diferentes salas das nossas unidades militares".

Continuando a dirigir-se aos políticos venezuelanos, o alegado líder alerta: "Não sejam cúmplices e, de uma vez por todas, tirem a venda dos olhos".

No final do vídeo é lembrado que "isto não é um Golpe de Estado, mas sim um ato legítimo para recuperar a democracia".

No site oficial, é contada a história da "Resistência" e a sua missão. O nome completo do grupo é "ResistenciaV58". "V" de Venezuela e o número "58", é inspirado no Golpe de Estado ocorrido na Venezuela a 23 de Janeiro de 1958, mas também no artigo 58.º da Constituição venezuelana.

Pode ler-se ainda que os membros, deste movimento, são netos dos homens e mulheres que participaram na derrota do ditador Marco Pérez Jimenez.

Com Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC