Mundo

Maduro quer "conversar pessoalmente" com Donald Trump

Maduro quer "conversar pessoalmente" com Donald Trump

O Presidente da Venezuela anunciou, na quinta-feira, que pretende "conversar pessoalmente" com o homólogo norte-americano, Donald Trump, tendo pedido ao chefe da diplomacia venezuelana para que tome as medidas necessárias.

"Tome medidas de modo a que eu possa ter uma conversa pessoal com Donald Trump", afirmou Nicolás Maduro, dirigindo-se ao recém-nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros, Jorge Arreaza, durante um discurso proferido perante a Assembleia Constituinte.

Maduro renovou o desejo de "restabelecer relações políticas, de diálogo e respeito" com os Estados Unidos.

"Acredito na diplomacia", afirmou, indicando que o diálogo pode ser mantido ao telefone ou pessoalmente, em Nova Iorque, por ocasião da Assembleia-Geral da ONU, marcada para 20 de setembro.

Ainda assim, o Presidente venezuelano advertiu o homólogo norte-americano que Caracas tem "as armas na mão" no caso de um eventual ataque. "A Venezuela nunca se renderá", afirmou Maduro, sublinhando que o "império americano" deve saber disso.

Estas declarações chegam dias depois de Washington ter aplicado sanções económicas e migratórias sem precedentes contra duas dezenas de membros do Governo venezuelano, incluindo Maduro, que classificou de "ditador", em resposta à eleição da Assembleia Constituinte em clima de violência.

Maduro renovou as críticas às sanções, afirmando não terem "base legal", e instou a presidente da recém-eleita Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, a "procurar justiça" nos Estados Unidos.

A Venezuela, que se encontra mergulhada numa grave crise política, é palco desde o início de abril de uma onda de protestos a favor e contra o governo de Maduro, alguns dos quais resvalaram em violentos confrontos, que fizeram pelo menos 125 mortos.

Os protestos intensificaram-se a partir de 01 de maio quando Maduro convocou a eleição da Assembleia Constituinte, realizada em 30 de julho, a qual foi boicotada pela oposição venezuelana.

Estados Unidos, União Europeia e uma dezena de países da América Latina também não reconhecem o novo órgão.

A convocatória para a eleição foi feita a 01 de maio por Nicolás Maduro, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação.

Maduro submeteu, na quinta-feira, o seu projeto de Constituição à nova Assembleia Constituinte, composta por 545 membros, todos próximos do governo, durante uma sessão especial do novo órgão presidido por Delcy Rodríguez, anterior ministra dos Negócios Estrangeiros.

Esse projeto prevê penas de prisão de 15 a 25 anos para quem "exprimir ódio, intolerância e violência por razões culturais, políticas e ideológicas" e reitera a necessidade de se aplicar "justiça severa" e de levantar a imunidade aos deputados e outros funcionários eleitos, acusados de incitar a violência durante manifestações.

Lusa

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC