sicnot

Perfil

Mundo

Maduro quer "conversar pessoalmente" com Donald Trump

Maduro quer "conversar pessoalmente" com Donald Trump

O Presidente da Venezuela anunciou, na quinta-feira, que pretende "conversar pessoalmente" com o homólogo norte-americano, Donald Trump, tendo pedido ao chefe da diplomacia venezuelana para que tome as medidas necessárias.

"Tome medidas de modo a que eu possa ter uma conversa pessoal com Donald Trump", afirmou Nicolás Maduro, dirigindo-se ao recém-nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros, Jorge Arreaza, durante um discurso proferido perante a Assembleia Constituinte.

Maduro renovou o desejo de "restabelecer relações políticas, de diálogo e respeito" com os Estados Unidos.

"Acredito na diplomacia", afirmou, indicando que o diálogo pode ser mantido ao telefone ou pessoalmente, em Nova Iorque, por ocasião da Assembleia-Geral da ONU, marcada para 20 de setembro.

Ainda assim, o Presidente venezuelano advertiu o homólogo norte-americano que Caracas tem "as armas na mão" no caso de um eventual ataque. "A Venezuela nunca se renderá", afirmou Maduro, sublinhando que o "império americano" deve saber disso.

Estas declarações chegam dias depois de Washington ter aplicado sanções económicas e migratórias sem precedentes contra duas dezenas de membros do Governo venezuelano, incluindo Maduro, que classificou de "ditador", em resposta à eleição da Assembleia Constituinte em clima de violência.

Maduro renovou as críticas às sanções, afirmando não terem "base legal", e instou a presidente da recém-eleita Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, a "procurar justiça" nos Estados Unidos.

A Venezuela, que se encontra mergulhada numa grave crise política, é palco desde o início de abril de uma onda de protestos a favor e contra o governo de Maduro, alguns dos quais resvalaram em violentos confrontos, que fizeram pelo menos 125 mortos.

Os protestos intensificaram-se a partir de 01 de maio quando Maduro convocou a eleição da Assembleia Constituinte, realizada em 30 de julho, a qual foi boicotada pela oposição venezuelana.

Estados Unidos, União Europeia e uma dezena de países da América Latina também não reconhecem o novo órgão.

A convocatória para a eleição foi feita a 01 de maio por Nicolás Maduro, com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação.

Maduro submeteu, na quinta-feira, o seu projeto de Constituição à nova Assembleia Constituinte, composta por 545 membros, todos próximos do governo, durante uma sessão especial do novo órgão presidido por Delcy Rodríguez, anterior ministra dos Negócios Estrangeiros.

Esse projeto prevê penas de prisão de 15 a 25 anos para quem "exprimir ódio, intolerância e violência por razões culturais, políticas e ideológicas" e reitera a necessidade de se aplicar "justiça severa" e de levantar a imunidade aos deputados e outros funcionários eleitos, acusados de incitar a violência durante manifestações.

Lusa

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22