sicnot

Perfil

Mundo

Oposição queniana mantém que o seu candidato deve ser proclamado Presidente

Thomas Mukoya

A oposição queniana advertiu este sábado que não desistirá da proclamação do seu candidato Raila Odinga como vencedor das presidenciais, um dia depois do anúncio oficial da reeleição do Presidente Uhuru Kenyatta, que provocou distúrbios nos bastiões da oposição.

"Não nos deixaremos intimidar, não renunciaremos", declarou Johnson Muthama, um alto responsável da coligação política NASA, numa conferência de imprensa.

Muthama considerou que a repressão dos motins pela polícia constitui uma tentativa "de submeter" a oposição, adiantando que as forças de segurança mataram "mais de 100 quenianos inocentes, entre os quais 10 crianças", sem no entanto fornecer quaisquer provas.

Segundo uma contagem da agência France Presse, a repressão dos distúrbios desde a noite de sexta-feira causou pelo menos 11 mortos, nove nos bairros da lata de Nairobi e dois no oeste do país, perto de Kisumu e Siaya.

"Uhuru Kenyatta não dispõe de qualquer mandato para ser o Presidente do Quénia", declarou Muthama.

A oposição tem multiplicado nos últimos dias as acusações de fraude eleitoral, exigindo que Odinga seja declarado vencedor e exclui recorrer à justiça contra a reeleição de Kenyatta.

"No momento oportuno diremos como vamos conduzir a nossa ação", adiantou o responsável da oposição.

"Por enquanto, apelamos aos nossos apoiantes e aos quenianos para se protegerem", disse ainda.

A Comissão Eleitoral do Quénia confirmou na sexta-feira que o Presidente Uhuru Kenyatta é o vencedor das eleições de terça-feira, com 54,27% dos votos, enquanto Raila Odinga alcançou 44,74%.

Num discurso de vitória, Kenyatta, que vai iniciar um segundo mandato de cinco anos, disse que estava a estender a "mão da amizade" à oposição.

Na violência pós-eleitoral de 2007 no Quénia, morreram pelo menos 1.100 pessoas e mais de 600 mil foram obrigadas a abandonar as suas casas.

Lusa

  • Criança morta pela polícia durante manifestações no Quénia

    Mundo

    Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em vários pontos do país, onde protestaram contra a reeleição de Uhuru Kenyatta. Os confrontos começaram no momento em que a Comissão Eleitoral oficializou os resultados das eleições, que a oposição diz terem sido manipulados. A presença policial foi reforçada nos bairros mais populosos de Nairobi.

  • Presidente do Quénia Uhuru Kenyatta reeleito

    Mundo

    O Presidente queniano, Uhuru Kenyatta, foi reeleito para um segundo mandato, anunciou hoje em Nairobi a Comissão Eleitoral do país. O líder da oposição, Raila Odinga, não reconhece os resultados oficiais e autoproclama-se vencedor.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.