Mundo

Apoiantes do Presidente e da oposição em confrontos na periferia de Nairobi

Odinga e apoiantes

Siegfried Modola / Reuters

Violentos confrontos eclodiram hoje em Mathare, na periferia da capital queniana, Nairobi, entre elementos da etnia kikuyu, do Presidente Uhuru Kenyatta, e apoiantes luo do opositor Raila Odinga, segundo verificou um fotógrafo da AFP.

Estes atos de violência surgiram quando os luo queimaram barracas de comerciantes kikuyu, o que resultou numa batalha campal entre os dois grupos.
Um homem foi severamente espancado com um pau e o seu corpo ficou caído no chão, de acordo com o fotojornalista, que acrescentou que o pessoal da Cruz Vermelha presente nas proximidades não conseguiu aceder imediatamente ao corpo porque os dois grupos continuavam a confrontar-se.
Esta situação surge depois da visita de Odinga a Mathare para ver a família de uma rapariga de 09 anos que foi morta a tiro no sábado de manhã neste bairro, quando se encontrava na varanda do quarto andar de um imóvel.
Anteriormente, Odinga deslocou-se ao bairro de Kibera, onde disse, diante de milhares de apoiantes entusiastas, que "não aceita os resultados das eleições presidenciais", que diz terem sido "roubados" por Kenyatta, o chefe de Estado cessante.
"Ainda não perdemos. Não vos abandonaremos", afirmou pedindo aos seus apoiantes para que não vão trabalhar na segunda-feira devido à presença massiva de forças de segurança.
Kenyatta foi reeleito na sexta-feira à noite para um segundo mandato de cinco anos como Presidente do Quénia, com 54,27% votos contra os 44,74% recolhidos por Odinga, segundo os resultados oficiais, que a oposição contesta e qualifica como uma "farsa" eleitoral.

Lusa

  • "Sou assim, genuíno e frontal". O resumo da entrevista de Bruno de Carvalho à SIC Notícias
    3:47
  • Terá mesmo valido a pena tomar óleo de fígado de bacalhau na infância?

    Mundo

    Os suplementos de ómega 3 não trazem grandes benefícios na prevenção de enfartes, acidente vascular cerebral (AVC) ou morte prematura, concluiu um estudo a pedido da Organização Mundial de Saúde (OMS). A geração que foi obrigada pelos pais a tomar óleo de fígado de bacalhau não está assim muito mais protegida destas doenças que as outras.

  • Rádio Escuta dá voz aos imigrantes que vivem em Lisboa
    4:02
  • Centenas de pessoas no funeral de João Semedo
    2:22
  • Quem é a nova líder da Sonae?
    2:16

    Economia

    Aos 49 anos, a filha mais nova de Belmiro de Azevedo é a nova líder do grupo Sonae. Quem a conhece diz que Cláudia Azevedo herdou o feitio do pai. Também não gosta de ouvir "não" e tem bom humor.