sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Sul fará todos os esforços para reduzir a tensão com o Norte

O Governo da Coreia do Sul disse este domingo que fará "todos os esforços para reduzir a tensão" com a Coreia do Norte e que "está aberto ao diálogo" com o regime de Kim Jong-un.

"O Governo está a considerar todos os passos necessários para reduzir a tensão na península (da Coreia) e manter a paz a partir da forte aliança entre Seul e Washington", indicou hoje o vice-ministro da Unificação sul-coreano, Chun Hae-sung, durante um evento em Seul.

A escalada de tensão entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos atingiu na semana passada um nível explosivo, depois de Pyongyang ter ameaçado atacar a ilha norte-americana de Guam, no Pacífico Oriental, e de Washington ter respondido que está "pronto para o combate".

O vice-ministro assegurou que, "ao mesmo tempo, a Coreia do Sul deixará a porta aberta ao diálogo com o Norte e que fará vários esforços para resolver a tensão", segundo declarações recolhidas e divulgadas pela agência Yonhap.

Os duros confrontos verbais entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos estão a turvar os esforços do novo Governo de Seul de levar a cabo uma aproximação com Pyongyang, a quem propôs recentemente manter um diálogo militar, sem que tenha recebido uma resposta até ao momento.

Desde a sua chegada ao poder, em maio, o novo Presidente sul-coreano, o liberal Moon Jae-in, tem tentado melhorar os laços com a Coreia do Norte, estando também apostado em manter as sanções impostas ao regime de Kim Jong-un pelos testes de armamento.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.