sicnot

Perfil

Mundo

China apela de novo ao diálogo após resolução da ONU sobre a Coreia do Norte

O porta-voz do Ministério das Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang.

Mark Schiefelbein

A China apelou hoje ao regresso do diálogo para resolver a questão nuclear norte-coreana, após o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter aprovado novas sanções contra o regime de Pyongyang.

A oitava ronda de sanções reflete a "posição unânime" dos 15 membros do Conselho de Segurança em querer manter a paz e promover a desnuclearização da península coreana, afirmou em comunicado Geng Shuang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros.

O novo pacote de sanções limita as importações de petróleo e derivados e proíbe as exportações de têxteis, somando-se a outras medidas aprovadas anteriormente e que visam isolar economicamente a Coreia do Norte.

"A China espera que o conteúdo da resolução 2375 se aplique de forma íntegra e completa", acrescentou o porta-voz. Geng Shuang insistiu que a única saída para a crise é o diálogo, urgindo todas as partes envolvidas a "assumir a sua responsabilidade", já que "uma solução militar não levará a lado nenhum".

O porta-voz chinês apelou aos Estados Unidos e Coreia do Sul para que "evitem ações que compliquem mais a situação" e afirmou que Pyongyang deve "travar o seu programa de desenvolvimento de armas nucleares e de mísseis". Geng Shuang insistiu na proposta chinesa de suspender o programa nuclear da Coreia do Norte em troca do fim das manobras militares dos Estados Unidos na Coreia do Sul.

Pequim é o principal aliado e maior parceiro comercial de Pyongyang. Cerca de 80% das importações norte-coreanas de petróleo são oriundas do país vizinho. Com o apoio da Rússia, que tem também direito de veto no Conselho de Segurança, a China conseguiu suavizar as sanções inicialmente propostas pelos EUA, que queriam uma proibição total de venda de crude, produtos petrolíferos refinados e gás à Coreia do Norte.

Geng Shuang insistiu também na "firme oposição" chinesa à instalação do escudo antimísseis norte-americano THAAD na Coreia do Sul, por "colocar em perigo a segurança estratégica da China e de outros países na região".

Lusa

  • Racionamento da água é medida de último recurso
    2:35
  • Juiz deixa suspeito de violação em liberdade
    2:42