sicnot

Perfil

Mundo

Pizza Hut ameaçou castigar empregados que faltassem para fugir do furacão

Mario Anzuoni

Um restaurante da cadeia Pizza Hut está ser altamente criticado por ter ameaçado castigar os seus funcionários, caso estes faltassem durante muito tempo para fugir ao furacão. Os críticos consideram que o estabelecimento pediu aos empregados para arriscarem as vidas para irem trabalhar no restaurante em Jacksonville, na Florida, EUA.

O gerente do restaurante fez questão de colocar um comunicado numa das paredes, no qual explica os "procedimentos e regras" do furacão.

"A nossa prioridade é a segurança da equipa, mas também temos a responsabilidade e o compromisso de estar aqui quando a comunidade precisa de nós", defende a gerência no início do comunicado.

"Não estar presente nos turnos, independentemente da razão, será considerado uma falta e a correspondente documentação será emitida", garantiu o estabelecimento.

O comunicado diz ainda que “não é permitido sair a uma sexta-feira para uma tempestade esperada a uma terça-feira”.

Vários pessoas criticaram de imediato o comunicado da Pizza Hut, por defenderem que o estabelecimento se preocupa mais com os números do que com a vida dos seus empregados.

"Pizza Hut, fecham no Natal mas querem mandar os funcionários para a morte durante um furacão?", perguntou um utilizador do Twitter.

A cadeia Pizza Hut já reagiu num comunicado no seu site, no qual se comprometeu com o "bem-estar e segurança dos funcionários".

"Todos os restaurantes no caminho do furacão Irma estão fechados e vão manter-se fechados até as autoridades locais considerarem seguro", garantiu a empresa.

A Pizza Hut diz ainda que o gerente do restaurante de Jacksonville, na Florida, não agiu de acordo com as normas da empresa.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.