sicnot

Perfil

Mundo

Catalunha vai "em frente" com referendo

Albert Gea

O ex-presidente do Governo regional catalão Artur Mas afirmou hoje que a Catalunha pretende "ir em frente" com a realização do referendo sobre a sua independência a 1 de outubro, apesar da suspensão pelo Tribunal Constitucional espanhol.

"Vim explicar que estamos absolutamente decididos a ir em frente", disse Artur Mas em Londres, antes de proferir uma conferência numa sala de comissões da Câmara dos Lordes, a convite do Centro para a Resolução de Conflitos Persistentes (CRIC, na sigla inglesa), presidido pelo liberal-democrata John Alderdice.

Instado a pronunciar-se sobre o reconhecimento do referendo pela comunidade internacional, respondeu: "Depende do resultado"."Se a participação for boa e o resultado for claro, será de uma maneira.

Se, por qualquer razão, isso não suceder assim, então, provavelmente, será de outra", declarou o ex-dirigente catalão num encontro com a imprensa na sede do Clube Nacional Liberal, no centro da capital britânica.

"Fizeram-se muitos referendos de autodeterminação no mundo nos últimos 20 ou 25 anos, penso que mais de 50, e desses 50, foram reconhecidos 27 países. E muitos desses referendos não tinham sido negociados com o Estado central", argumentou.

O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, pediu aos cidadãos catalães que forem convocados para integrar uma mesa de voto no dia 1 de outubro que não cumpram essa convocatória para participar numa consulta "manifestamente ilegal".

Por seu lado, o Ministério Público ordenou às forças de segurança que atuem perante qualquer ato levado a cabo por autoridades, funcionários públicos ou "particulares em conivência com aqueles" destinado a realizar o "referendo de autodeterminação ilegal".

Inquirido sobre o cenário político que surgirá na Catalunha depois de 1 de outubro, Artur Mas advertiu de que, com o referendo, "se pode ganhar a independência, mas construí-la não é uma questão de dois dias".

"A independência ganha-se ou perde-se a 1 de outubro, pelo menos neste momento em que estamos. Dentro de algum tempo, logo se verá", comentou.

"A partir daqui, se se ganhar a independência, então, é preciso construir, e isso passa logo por propor diálogo e negociação a todas as partes interessadas. Sempre dissemos que a independência da Catalunha, no caso de se poder construir, como eu espero, não tem que se impor", acrescentou.

O ex-presidente do governo regional catalão admitiu que "a questão catalã não é uma questão fácil de resolver no contexto europeu e internacional" e acrescentou: "Estão à espera de ver de que são capazes os catalães".

Ao comparar a situação na Catalunha e na Escócia, Mas salientou que "o Reino Unido entendeu perfeitamente o que tinha que fazer na Escócia quando viu que havia um parlamento com maioria absoluta, tal como na Catalunha, a favor de um referendo".

Lusa

  • "A Catalunha não tem muito a ganhar com a independência"
    3:10

    Opinião

    No comentário habitual do Jornal da Noite, Miguel Sousa Tavares disse que não é certo que a maioria dos catalães seja a favor da independência e que devia haver uma maioria clara para a Catalunha ser independente de Espanha. O comentador da SIC defendeu ainda que a região espanhola não tem muito a ganhar, apesar de ser uma nação dentro das nações espanholas.

  • Milhares de "oprimidos e cansados" nas ruas de Barcelona
    1:47

    Mundo

    Milhares de pessoas manifestaram-se esta segunda-feira à tarde em Barcelona, pelo direito à realização de um referendo de autodeterminação. Os movimentos independentistas da Catalunha marcaram a votação para 1 de outubro, mas o Governo de Madrid já disse que não vai permitir o referendo, por ser ilegal. Vários manifestantes confessam estar "cansados" de pertencer a Espanha.

  • Nascentes do Douro e Tejo estão praticamente secas
    2:55
  • "Para ele, um 'não' não foi suficiente"
    3:39
  • "Diálogos" de Catarina Neves duplamente premiado no festival Muvi
    2:12
  • Isabel II e Filipe de Edimburgo celebram 70 anos de casamento
    0:44

    Mundo

    A rainha Isabel II de Inglaterra e Filipe de Edimburgo celebram hoje 70 anos de casamento. Em dia de comemoração, o Palácio de Buckingham divulgou novas fotografias do casal cuja união é a mais duradora dentro das casas reais. Isabel casou com 21 anos. Seis anos depois foi coroada rainha por ocasião da morte do pai. A rainha e o marido têm quatro filhos, entre eles o herdeiro ao trono, Carlos, oito netos e cinco bisnetos.

  • Um negócio familiar destruído pelas chamas
    8:36