sicnot

Perfil

Mundo

Glaciares dos Alpes franceses diminuiram 25% em 12 anos

Denis Balibouse

Os glaciares dos Alpes franceses perderam 25% da superfície entre 2003 e 2015 e estão a diminuir "três vezes mais rápido" do que anteriormente, segundo um estudo recente tornado público esta quarta-feira.

De acordo com o Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Ambiente (LGGA), de Grenoble, que faz o inventário da situação francesa no âmbito da análise que se faz à escala europeia, o degelo aumentou "brutalmente" naquele período.

O estudo sublinha nomeadamente que a perda de superfície entre 2003 (data das últimas medições efetuadas) e 2015 foi de 02% por ano nos Alpes franceses, contra 0,7% no período anterior (1986-2003).

"O número é quase multiplicado por três", lamentou o especialista em glaciares Antoine Rabatel, que completou a investigação em junho, com base em imagens de satélite de 2015, com uma precisão de dez metros por pixel.

"O aumento da retração do gelo é muito nítido, especialmente nas zonas baixas dos glaciares", disse.

Os glaciares do maciço do Monte Branco, o mais alto pico da Europa (4.809 metros) são os que resistem melhor a esta erosão: registaram uma diminuição da área de cerca de 01% por ano no período 2003-2015, em comparação com os 2,25% dos glaciares dos maciços de Écrins.

Iniciado em outubro de 2016, o trabalho foi feito em colaboração com laboratórios austríacos, italianos e suíços.

Lusa

  • Casal desaparecido há 75 anos encontrado nos Alpes

    Mundo

    Um casal desaparecido há 75 anos no maciço dos Diablerets, sul da Suíça, foi encontrado mumificado nas neves de um glaciar, uma descoberta que vai permitir que os seus filhos sobreviventes façam o seu luto. Os corpos perfeitamente conservados permaneciam próximos um do outro, tendo a seu lado mochilas, uma garrafa, um livro e um relógio, contou ao diário suíço Le Matin o diretor das pistas (área de ski) do Glaciar 3000, Bernard Tschannen.

  • A barba de Cristiano Ronaldo é para manter
    0:50