Mundo

Ataque talibã no Afeganistão faz pelo menos 32 mortos e 200 feridos

Samiullah Peiwand

Pelo menos 32 pessoas morreram e 200 ficaram feridas, a maioria membros das forças de segurança, na sequência de um ataque dos talibãs contra as instalações das forças de segurança em Paktia, no leste do Afeganistão.

"São mais de uma centena de vítimas, entre mortos e feridos, na maioria membros da polícia", disse inicialmente à agência noticiosa EFE o vice-governador de Paktia, Abdul Wali Sahi. A mesma fonte referiu também que a operação para detetar os atacantes continua e que se espera que o número de vítimas mortais possa vir a aumentar.

"Prosseguem também os trabalhos de remoção para que sejam detetadas as vítimas no edifício" disse Sahi acrescentando que o chefe da polícia local está "gravemente ferido".

Segundo o vice-governador ainda não se conhece o número de atacantes assim como admite que elementos do grupo talibã podem ainda encontrar-se no interior do edifício atacado.

O Ministério do Interior afegão confirmou anteriormente a morte de "pelo menos dois atacantes".

O ataque ocorreu por volta das 9:30 (5:00 hora de Lisboa) no quartel de Gardiz, capital de Paktia, onde está localizada a sede da polícia local.

O porta-voz do Governo de Paktia, Abdullah Hasrat disse à EFE que o ataque foi levado a cabo por um suicida que detonou explosivos que tinha consigo abrindo o acesso a um camião armadilhado que explodiu poucos segundos depois.

A ação inicial aconteceu na entrada principal do quartel, explicou a fonte.

As instalações da polícia de Paktia já foram alvo de ataques anteriores; o último no passado mês de julho que fez 11 mortos e 20 feridos durante uma ação realizada por um grupo de seis talibãs.

Nos últimos dois anos e meio, o Governo afegão tem vindo a perder terreno face aos talibãs, segundo o inspetor para o Departamento de Reconstrução do Afeganistão, dos Estados Unidos.

De acordo com dados norte-americanos, entre janeiro e novembro de 2016, pelo menos 6.785 membros das forças de segurança afegãs morreram e 11.777 ficaram feridos, vítimas dos ataques talibãs.

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".