sicnot

Perfil

Mundo

Congresso analisa autoridade de Trump para lançar ataque nuclear

MARK R. CRISTINO / POOL

Pela primeira vez em 40 anos, o Congresso norte-americano analisa a autoridade do Presidente dos Estados Unidos da América para lançar um ataque nuclear. Liderada por um republicano, a audiência decorre no Senado e é promovida pela Comissão dos Negócios Estrangeiros.

Durante a sessão desta terça-feira, um ex-oficial da Força Aérea norte-americana defendeu que a ordem de lançamento de um ataque nuclear pode ser recusada, se for considerada ilegal.

O militar argumentou ainda que as forças armadas são obrigadas a seguir ordens legais, e não ilegais, e o mesmo se aplica ao armamento nuclear.

A última vez que o Congresso norte-americano debateu a questão foi em março de 1976, durante a Guerra Fria.

  • Marcelo já teve alta após "queda abrupta de tensão"
    2:53
  • Jorge Jesus emocionado à partida para o Al Hilal
    1:26

    Desporto

    O treinador Jorge Jesus está de partida para a Arábia Saudita, onde vai orientar o Al Hilar. Este sábado, no Aeroporto de Lisboa, emocionou-se quando questionado sobre o que mais lhe custa deixar: "a família e os amigos". Mas também se mostrou certo de que em breve voltará a Portugal.

  • México bate Coreia do Sul e está quase apurado

    Mundial 2018 / República da Coreia

    O México derrotou este sábado a Coreia do Sul por 2-1, na 2.ª jornada do grupo F, e ficou perto de garantir a passagem aos oitavos-de-final.

  • Bélgica goleia Tunísia e fica muito perto dos oitavos

    Mundial 2018 / Bélgica

    A Bélgica derrotou este sábado a Tunísia por 5-2, na 2.ª jornada do grupo G, e ficou muito perto de garantir o apuramento para os oitavos-de-final do campeonato do mundo. Veja aqui os golos e os principais lances do encontro.

  • Moutinho continua sem treinar, Raphael Guerreiro recuperou
    1:35
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28
  • A opinião de Francisco Louçã
    14:51

    Opinião

    No habitual espaço de comentário semanal na Edição da Noite, Francisco Louçã analisou o Serviço Nacional de Saúde, o imposto sobre os combustíveis, a guerra entre professores e Governo e a lei das rendas.