sicnot

Perfil

Mundo

Partido de Mugabe acusa chefe das Forças Armadas do Zimbabué de traição

O Presidente do Zimbabué Robert Mugabe.

Philimon Bulawayo

O partido do Presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, acusou esta terça-feira o chefe das Forças Armadas de "conduta de traição", depois de este lhe ter dirigido na segunda-feira um aviso sem precedentes.

Em comunicado, o partido presidencial, Zanu-PF, afirma que as críticas do chefe das Forças Armadas, o general Constantino Chiwenga, eram "claramente destinadas a perturbar a paz nacional (...) e demonstram uma conduta de traição da sua parte, já que foram feitas para incitar à sublevação".

Hoje, foram vistos vários tanques em movimento perto da capital, Harare, fazendo aumentar o clima de tensão e a preocupação dos habitantes, um dia após a advertência sem precedentes feita pelo chefe das Forças Armadas a Robert Mugabe.

A razão da presença dessa coluna militar não ficou imediatamente esclarecida, não estando o porta-voz do exército contactável, de momento, segundo a agência noticiosa francesa AFP.

Na segunda-feira, o general Chiwenga condenou a expulsão do vice-presidente do país, Emmerson Mnangagwa, na semana passada, e avisou que o exército poderia "intervir" se não acabasse a "purga" dentro da Zanu-PF, no poder desde a independência, em 1980.

Mnangagwa, de 75 anos, há muito considerado o delfim do Presidente, foi humilhado e demitido das suas funções na semana passada e fugiu do país, após um braço-de-ferro com a primeira-dama, Grace Mugabe, de 52 anos.

O antigo vice-Presidente era visto como um dos mais fiéis discípulos de Mugabe, tendo trabalhado ao seu lado durante mais de 40 anos, e tinha ligações estreitas com os militares.

Grace Mugabe, figura controversa, conhecida pelos seus ataques de cólera e dirigente do braço feminino do partido do marido, tem muitos opositores no partido e no Governo.

As declarações do chefe das Forças Armadas parecem visar os esforços cada vez mais ostensivos de Grace Mugabe para se aproximar do poder e criticar publicamente os seus opositores, entre os quais Mnangagwa.

Com o afastamento deste, ela fica na posição ideal para suceder ao marido, de 93 anos, que, apesar da idade avançada e da saúde frágil, foi nomeado pela Zanu-PF como candidato às eleições presidenciais de 2018.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC