sicnot

Perfil

Mundo

"Shutdown" nos Estados Unidos pela segunda vez em três semanas

Jonathan Ernst/ Reuters

O encerramento parcial das instituições federais dos Estados Unidos entrou em vigor às 00:00 (05:00 de Lisboa), após a suspensão do debate sobre um acordo orçamental fundamental na quinta-feira à noite, no Senado.

Perante a oposição de um senador a esta proposta de lei, que permite o financiamento do Estado até 2019, a câmara alta do Congresso decidiu suspender a sessão e retomá-la às 00:01 de sexta-feira, com vista a uma nova votação que poderá ocorrer durante a noite.

É a segunda vez em três semanas que há uma paralisação parcial das instituições do Estado federal ("shutdown") que, sem financiamento, não dispõe de dinheiro e tem de pôr "tecnicamente" no desemprego centenas de milhares de funcionários públicos, dos serviços fiscais aos parques nacionais.

A Administração Trump viveu o seu primeiro "shutdown" a 20 de janeiro deste ano - exatamente um ano após a investidura de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos -, por falta de acordo sobre o orçamento. Durou três dias.

Na nova sessão já em curso no Senado, o objetivo é conseguir aprovar, numa nova votação, a proposta orçamental antes de serem horas de os funcionários públicos federais iniciarem o seu dia de trabalho.

O texto deverá, em seguida, ir para a Câmara dos Representantes, onde também tem opositores, e terminar na Sala Oval, para promulgação pelo Presidente.A paralisação poderá, portanto, ser de breve duração, mas é ilustrativa da polarização dos senadores e congressistas em relação, depois de a proposta ter recebido o apoio dos líderes republicanos e democratas das duas câmaras parlamentares.

Lusa

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05

    Mundo

    Chegou ao fim o chamado "Shutdown" nos Estados Unidos, que paralisou vários serviços e agências do Governo Federal. O acordo foi alcançado no Senado, depois dos republicanos terem dado garantias sobre a reforma da imigração.

  • Que shutdown é este que paralisou os EUA?
    2:27

    Mundo

    O shutdown dos serviços nos Estados Unidos da América foi declarado no sábado e ainda não há sinais de acordo entre democratas e republicanos. Cerca de 800 mil funcionários públicos estão suspensos e sem direito a vencimento.

  • Trump completa um ano de mandato com governo paralisado e serviços fechados
    2:12

    Mundo

    O Senado dos EUA tem de aprovar uma extensão do orçamento por quatro semanas, até 16 de fevereiro. Enquanto não se chega a acordo, os funcionários considerados "não essenciais" deverão ficar em casa, tal como aconteceu no anterior "shutdown", em outubro de 2013, que durou 16 dias. De acordo com a federação americana dos funcionários governamentais (AFGE), mais de 850 mil pessoas arriscam o "desemprego técnico" e mais de um milhão de outras poderão vir a trabalhar sem receber. No total, mais de 3,5 milhões de empregados civis e militares serão afetados, segundo dados oficiais.

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.