Mundo

Ex-diretor do FBI compara liderança de Trump a organização mafiosa

Yuri Gripas

O ex-diretor da polícia federal norte-americana (FBI) James Comey acusou o Presidente dos Estados Unidos de ser "desapegado da verdade", denunciando uma liderança "guiada pelo ego e apoiada em lealdades pessoais".

"A presidência de Donald Trump ameaça muito do que é bom nesta nação", escreve Comey no livro "Uma lealdade mais elevada", que vai para as bancas na próxima semana.O livro, que está repleto de declarações e acusações fortes contra Trump, surge 11 meses depois do afastamento de Comey, da direção do FBI.

Comey interpreta Trump como sendo uma figura mafiosa que tenta ultrapassar a linha entre a aplicação da lei e a política, denunciando que este o tentou pressionar, pessoalmente, a respeito da sua investigação sobre a interferência da eleição russa.

O ex-diretor do FBI descreve ainda que quando estava em reuniões com Trump e com a sua equipa lembrava-se do tempo em que investigava a máfia italiana, como procurador em Manhattan. "Ele tentava fazer de nós todos parte da mesma família", denuncia.

A administração dos Estados Unidos é um "incêndio florestal" que não pode contido, afirma o ex-diretor do FBI, entre muitas outras acusações sobre o caráter pessoal de Donald Trump.

Em conversas pessoais com Trump, Comey assume que o Presidente dos Estados Unidos lhe pediu para investigar -- e provar que era mentira - um alegado envolvimento com prostitutas, num hotel em Moscovo.

Comey escreve que o Presidente queria que se investigasse o caso para tranquilizar a mulher, Melania Trump.

Donald Trump afastou Comey da chefia do FBI, em maio de 2017, desencadeando uma disputa no Departamento de Justiça que levou à nomeação de Robert Mueller como conselheiro especial para investigar uma alegada interferência da Rússia, durante as últimas eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Mueller está também a investigar uma possível obstrução à justiça por parte de Trump, e as razões que levaram à demissão de Comey.

O ex diretor do FBI diz ter sido pressionado para encerrar uma investigação sobre o antigo assessor de segurança nacional Michael Flynn.

James Comey afirma que Donald Trump pediu-lhe para abandonar a investigação sobre Flynn, envolvido no caso da alegada ingerência russa nas presidenciais.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34