sicnot

Perfil

Mundo

Ex-diretor do FBI compara liderança de Trump a organização mafiosa

Yuri Gripas

O ex-diretor da polícia federal norte-americana (FBI) James Comey acusou o Presidente dos Estados Unidos de ser "desapegado da verdade", denunciando uma liderança "guiada pelo ego e apoiada em lealdades pessoais".

"A presidência de Donald Trump ameaça muito do que é bom nesta nação", escreve Comey no livro "Uma lealdade mais elevada", que vai para as bancas na próxima semana.O livro, que está repleto de declarações e acusações fortes contra Trump, surge 11 meses depois do afastamento de Comey, da direção do FBI.

Comey interpreta Trump como sendo uma figura mafiosa que tenta ultrapassar a linha entre a aplicação da lei e a política, denunciando que este o tentou pressionar, pessoalmente, a respeito da sua investigação sobre a interferência da eleição russa.

O ex-diretor do FBI descreve ainda que quando estava em reuniões com Trump e com a sua equipa lembrava-se do tempo em que investigava a máfia italiana, como procurador em Manhattan. "Ele tentava fazer de nós todos parte da mesma família", denuncia.

A administração dos Estados Unidos é um "incêndio florestal" que não pode contido, afirma o ex-diretor do FBI, entre muitas outras acusações sobre o caráter pessoal de Donald Trump.

Em conversas pessoais com Trump, Comey assume que o Presidente dos Estados Unidos lhe pediu para investigar -- e provar que era mentira - um alegado envolvimento com prostitutas, num hotel em Moscovo.

Comey escreve que o Presidente queria que se investigasse o caso para tranquilizar a mulher, Melania Trump.

Donald Trump afastou Comey da chefia do FBI, em maio de 2017, desencadeando uma disputa no Departamento de Justiça que levou à nomeação de Robert Mueller como conselheiro especial para investigar uma alegada interferência da Rússia, durante as últimas eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Mueller está também a investigar uma possível obstrução à justiça por parte de Trump, e as razões que levaram à demissão de Comey.

O ex diretor do FBI diz ter sido pressionado para encerrar uma investigação sobre o antigo assessor de segurança nacional Michael Flynn.

James Comey afirma que Donald Trump pediu-lhe para abandonar a investigação sobre Flynn, envolvido no caso da alegada ingerência russa nas presidenciais.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.