Mundo

Media estatais da Síria retratam-se sobre ataque externo e falam de "falso alarme"

http://albaathmedia.sy

Os media estatais da Síria retrataram-se hoje, indicando que foi devido a um "falso alarme" que a defesa aérea síria atuou durante a noite e não porque o país tenha sido alvo de um ataque externo de mísseis.


"Um falso alarme relativo a uma violação do espaço aéreo durante a noite levou a que fossem acionadas as sirenes de defesa aérea", reconhece a agência oficial SANA, citando uma fonte militar.


"Não houve ataque externo sobre a Síria", precisa.


Antes a agência tinha informado que as defesas antiaéreas tinham intercetado de madrugada vários mísseis sobre a província central de Homs.


O Observatório Sírio dos Direitos Humanos disse que foram ouvidas explosões a sudeste de Homs, perto da base aérea de Al-Chaayrate, e na região de Qualamoun, perto de Damasco, onde estão situadas outras duas bases aéreas.


A televisão oficial síria declarou tratar-se de "uma agressão", sem precisar quem estava na origem destes ataques.
O Pentágono, citado pelo jornal britânico The Guardian, desmentiu qualquer ofensiva contra a Síria.


Também um porta-voz do exército israelita disse desconhecer o incidente, quando questionado pela agência France-Presse sobre os rumores que apontavam para a eventualidade de se tratar de um ataque israelita.


No sábado, Estados Unidos, França e Reino Unido realizaram um ataque contra instalações na Síria que estariam ligadas à produção e armazenamento de armas químicas.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34