Mundo

Três terroristas e três polícias mortos em confrontos noturnos no sudeste do Irão

Ebrahim Noroozi

Três terroristas e três agentes da polícia iranianos foram mortos em confrontos noturnos numa área do sudeste do Irão, na fronteira com o Paquistão, informou a agência oficial Irna.

"Às 1:30 da manhã de hoje (22:00 em Lisboa), um grupo de terroristas do Paquistão atacou" uma torre de vigilância da polícia na área de Mirjaveh, cidade fronteiriça a cerca de 75 km a sudeste de Zahedan, a capital da província do Sistão-Baluchistão, escreve Irna.

O ataque surgiu na sequência de violentos confrontos e "três terroristas", um policia e dois membros da Guarda Revolucionária, o exército de elite da República Islâmica, foram mortos, acrescenta a agência.

No passado, o Irão culpou o Paquistão por apoiar o grupo jihadista Jail al-Adl, acusado pelas autoridades de Teerão de estar ligado à Al Qaeda e realizar numerosas operações armadas no Sistão-Baluchistão.

Os confrontos armados entre as forças de segurança e vários grupos criminosos ou "terroristas" frequentes entre a maioria sunita da província de Baloch.

A população iraniana é 90% xiita e principalmente etnia persa (cerca de dois terços).

De 2005 a 2010, o Sistão-Baluchistão foi desestabilizado por uma rebelião liderada pelo grupo sunita Jundallah ("Soldados de Allah"), cujas atividades praticamente cessaram após a execução do seu líder, em 2010.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34