Mundo

WhatsApp vai aumentar idade mínima para uso da aplicação 

Dado Ruvic

A aplicação de mensagens encriptadas WhatsApp quer aumentar a idade mínima de utilização da plataforma. A informação foi avançada na semana passada, sendo que será implementada até 25 de maio.

Se até ao momento era necessário ter 13 anos para enviar mensagens na aplicação, a partir do próximo mês a idade mínima subirá para os 16. A notícia foi avançada pela Wabetainfo, uma plataforma especializada em analisar as funcionalidades de redes sociais, entre elas o WhatsApp.

Numa nota deixada no Twitter pode ler-se:

"De modo a respeitar os novos Termos de Serviço do WhatsApp (disponívies no futuro, talvez, a partir do dia 25 de maio), o WhatsApp exige que tenha pelo menos 16 anos para utilizar os serviços (13 é a idade mínima, atualmente)."

Vários utilizadores já responderam à publicação, sendo que, alguns deles, consideram que os dados não vão ser devidamente verificados. Outros mostram-se revoltados com esta medida, alegando que a aplicação chega mesmo a ajudar a comunicação entre pais e filhos.

"A minha irmã acabou de completar 15 anos e usa o WhatsAppp para comunicar com toda a gente, para coisas básicas como trabalhos de casa, exames e coisas do género. A minha mãe costuma usar (a aplicação) para verificar onde ela está, assim como faz com todas as suas amigas."

A medida será implementada no mesmo dia em que entra em vigor o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), a nova legislação de dados pessoas na Europa.

A Comissão Nacional de Proteção de Dados já publicou um documento onde aconselha as empresas a adaptarem-se às novas regras.

"É essencial conhecer as novas regras, analisar as novas obrigações, verificar o nível atual de cumprimento e adotar as medidas necessárias durante este período de transição para assegurar que tudo está pronto atempadamente.", lê-se no comunicado.

O WhatsApp foi criado em 2009 e em 2014 foi comprado pelo Facebook.

  • Quais são os riscos de participar nos grupos públicos do WhatsApp

    Mundo

    Desde o escândalo da Cambridge Analytica, que terá tido acesso a dados de cerca de 87 milhões de utilizadores do Facebook, as redes sociais têm sido muito criticadas. Um dos críticos é um dos fundadores da aplicação WhatsApp, Brian Acton, que se juntou a uma campanha para incentivar os internautas a abandonar a rede social fundada por Mark Zuckerberg. Contudo, nem a plataforma de mensagens instantâneas escapa aos perigos da internet. Saiba quais são os riscos que corre ao participar nos grupos públicos do WhatsApp.

  • "O Mal Entendido: as doenças a que chamamos cancro" - capítulo 4: Os maratonistas
    33:52
  • O verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo das pistolas
    0:50

    Assalto em Tancos

    O general Leonel de Carvalho associa o roubo em Tancos ao desaparecimento de 57 armas da PSP de Lisboa, em fevereiro do ano passado. O antigo secretário geral do Gabinete coordenador de Segurança considera ainda que o verdadeiro alarme e ameaça à segurança interna está no roubo dessas pistolas e não no alegado desaparecimento de algumas granadas e outro material explosivo de pouca capacidade.

  • "Aquilo parecia um filme de terror"
    1:40

    Crise no Sporting

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52
  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC