Mundo

Brasil registou 415 mortes por febre amarela num ano

O Brasil registou 415 mortes por febre-amarela desde julho de 2017, segundo dados de um relatório divulgado esta quinta-feira pelo Ministério da Saúde, citado pela imprensa brasileira.

Segundo o portal G1, foram confirmadas também 1.266 infeções pela doença neste período de um ano, entre julho de 2017 e o mesmo mês em 2018.

O ministério divulgou ainda que outros 1.232 casos estão a ser investigados pelas autoridades.

A região sudeste (que compreende os estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo) continua a registar o maior número de casos e de mortes, sendo que apenas um óbito ocorreu fora da região, no Distrito Federal (centro-oeste).

Este grande número de casos e mortes ocorreram porque antes de 2017 o vírus da febre-amarela não circulava na região sudeste. Também a vacina contra a doença era destinada a áreas endémicas, como a região norte do país.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.