sicnot

Perfil

Luís Costa Ribas

Opinião

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC

Opinião

Trump quase venceu o dia 1 da Convenção Democrata

Luís Costa Ribas

Luís Costa Ribas

Correspondente SIC

Michelle Obama: “Por causa de Hillary as minhas filhas acreditam que uma mulher pode ser Presidente”. Bernie Sanders: “Orgulho-me de estar ao seu lado. Com base nas suas ideias e liderança Hillary Clinton tem de ser a próxima Presidente dos EUA”.

Bernie Sanders salvou a convenção democrata dos seus próprios apoiantes, com um discurso firme de apoio a Hillary Clinton no termo de um primeiro dia caótico da reunião magna do Partido Democrático americano, marcado por ultraje devido à divulgação de milhares de e-mails que puseram em causa a imparcialidade obrigatória da máquina partidária durante as primárias. O staff da Comissão Nacional Democrata (DNC), fez troça de Sanders, coordenou um ataque contra ele através de um advogado da campanha Clinton e sugeriu que se usasse contra Sanders o facto der ser um judeu não praticante, logo, ateu.

A presidente da Comissão, Debbie Wasserman Schultz, foi vaiada num pequeno almoço com a delegação da Flórida e, para evitar a possibilidade de a convenção se tornar um circo, demitiu-se (com efeitos na sexta-feira), assumindo a responsabilidade política pelo incidente. Mas isso não travou a fúria dos apoiantes de Sanders que ameaçaram boicotar a abertura da Convenção, a cargo de Wasserman Schultz e tentar impedir a nomeação de Tim Kaine, candidato a vice-presidente oriundo do ala mais conservadora do Partido. Para que as coisas não piorassem, a líder do DNC prescindiu de qualquer função pública na convenção a 30 minutos da abertura desta.

Mesmo assim, durante as primeiras horas da convenção os apoiantes de Sanders vaiaram todas as referências a Hillary Clinton, chegando a interromper uma oração por ela, ao ouvirem o seu nome. De tal forma que poderia julgar-se que se travava de militantes de um partido adversário. Na verdade, Sanders e muitos dos seus apoiastes não eram sequer democratas no ano passando e não têm história nas fileiras do mesmo. Daí que, durante as primárias, sempre que as coisas não lhes corriam bem se queixassem do “sistema” em que queriam jogar mas cuja regras desconheciam e argumentassem que o DNC estava contra eles - criaram o mito urbano do “eles, que nos querem roubar a eleição”. Apesar de os e-mails não cometerem qualquer indicação de que o DNC impediu a vitória de Sanders (eles reportam-se aos meses de Abril e Maio, quando a vitoria de Hillary estava assegurada), nada os persuadia de que a vitória de Sanders não lhes foi “roubada” - até Sanders subir ao palco.

JUSTIN LANE

O ex-candidato deixou claro que Hillary é uma alternativa, “sem qualquer discussão”, muito preferível ao republicano Donald Trump. “Orgulho-me de estar ao seu lado. Com base nas suas ideias e liderança Hillary Clinton tem de ser a próxima presidente dos EUA”. Sanders explicou aos seus apoiantes que a derrota nas primárias não é o fim da jornada, tendido em conta que muitas das suas prioridades (redução da dívida dois estudantes universitários, reforma dos grandes bancos, aumento do salário mínimo) foram assumidas por Hillary. Sem vaias, nem apupos.

Antes de Sanders, um discurso emotivo de Michelle Obama, “o discurso da noite que será lembrado durante muito anos”, atacou Trump e defendeu Hillary, sem vaias nem apupos. Criou um ambiente de unidade e intimidade e futuro. Combatendo as lágrimas, confessou que “por causa de Hillary as minhas filhas acreditam que uma mulher pode ser Presidente”. Contrariando Trump e a ideia de que a América está em declínio e é preciso torná-la grandiosa outra vez, Michelle Obama lembrou que "este é, neste preciso momento, o maior país sobre a terra. E no momento em que as minhas filhas se preparam para sairem para o Mundo, quero um líder merecedor dessa verdade”.

Lembrou, ainda, que o que a lavou aquele palco, nesta noite, é a história de “gerações de pessoas que sentiram a chicotada da escravidão, a vergonha da servitude, a dor da segregação, mas que com esperança e trabalho fizeram o que era preciso fazer para que eu hoje possa acordar numa casa construída por escravos”.

O dia acabou bem para os democratas. O que poderia ter sido um desastre e uma vitória para Donald Trump, acabou bem. Amanhã é outro dia, sem garantias de que a revolta dos “bernies” tenha sido definitivamente amainada.

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.