sicnot

Perfil

Opinião

Entre a morte e o amor

Apesar da rapidez da era digital, da velocidade, de uma comunicação revelada em deslumbramento, há um calendário que reclama o tempo da tradição, da memória. Neste espaço, que é o nosso, de uma cultura com pilares nas narrativas cristãs, reafirma-se por estes dias a morte como valor. Não como mera inevitabilidade, mas como valor.

Não é possível sintetizar numa crónica todas as teorias, pensamentos e abordagens culturais sobre este imenso desconhecido. Fixemo-nos nos textos litúrgicos propostos este ano pela Igreja católica na preparação da Páscoa – passagem – nos quais se recorda o episódio de Lázaro, que, morto há vários dias, regressa à vida por intervenção do mestre. O feito de taumaturgo ofuscará a essencialidade de um texto que requer o cuidado da exegese. O fio condutor tem os contornos de uma relação, a relação entre os dois personagens envolvidos - Jesus e Lázaro -, gerador de compaixão... e de amor.

Na verdade, só conhecemos duas grandes inevitabilidades. Somos finitos, temos um prazo físico. E, entre o nascer e o ocaso, somos relação. Existimos enquanto objetos individuais em relação e dizemo-nos também à medida das relações que estabelecemos. É por aqui, perante as inevitabilidades da existência, nas consequências de um (des)encontro, que se desenrolam as procuras. E não será difícil perceber que a finitude ganha sentido na medida dos enquadramentos relacionais, que hão de desvendar um amor incondicional, desenhando, para lá do hoje, uma eternidade insondável.

Na consciência racional sobrará sempre a dúvida, o engenho da incógnita. “O que mais nos atormenta senão o desconhecido?”(1), questionava Abílio Oliveira, poeta português que na morte encontra inspiração para um olhar interior.

Diante da “abalada definitiva”, o padre Carlos Jorge Vicente, com muita experiência pastoral e, por via desta, habituado a lidar com o drama da morte, fala num “espaço aberto pela ausência física”, que, nos que ficam, será daquele que se ausenta, “transformado num santuário de silêncio e encontro” (2).

Thomás Halik reafirma o dilema deste e de todos os tempos: “Qual é a finalidade de tudo isto?” (3). Para o teólogo, sociólogo e psicólogo checo, esta pergunta vai “para lá do horizonte do mundo tal como o conhecemos e o podemos conhecer, para lá da nossa experiência colectiva e do objeto do nosso conhecimento”, só podendo ser feita “no momento da morte, da partida deste mundo, porque o próprio mundo carece de resposta para a mesma”.

Não se estranhem as manobras da incerteza no domínio da fé cristã. O seguimento de Jesus é também uma construção fundada na fé do invisível e do indizível. “Se eu não o vir, não acredito”, teimava Tomé.

O amor é a única força que pode unificar sem destruir, dizia Teilhard de Chardin. O cosmo-teólogo e cientista sustentava que Deus e o Universo se mantém numa relação de evolução, amorosa, criativa e dinâmica.

Recorde-se, a propósito, o filme de ficção científica Interstellar, passado num futuro em que os recursos alimentares da Terra estão esgotados e a humanidade está em vias de extinção.

Explorando a teoria dos buracos negros que permitiriam o contacto entre diferentes universos, a NASA tenta salvar a humanidade procurando outros planetas onde a vida humana seja possível. A meio do filme, três astronautas têm de optar entre um de dois planetas, de onde anteriores expedições tinham enviado sinais optimistas quanto à possibilidade de se instalarem colónias e garantir a sobrevivência humana. É neste contexto que se desenrola o diálogo entre o astronautas Cooper (Matthew McConaughey), engenheiro, e Amelia (Anne Hathaway), bióloga.

“O amor não é algo que tenhamos inventado, é observável, poderoso, tem de significar alguma coisa”, diz Amelia. “Uma utilidade e uma ligação sociais, criar filhos...”, contrapõe o cético Cooper, logo interrompido por Amelia: “Amamos pessoas que morreram, qual é a utilidade disso? Talvez signifique algo mais, que ainda não podemos compreender. Talvez seja uma prova, um engenho de uma dimensão superior de que ainda não temos consciência. O amor é a única coisa que conseguimos entender e que transcende as dimensões do tempo e do espaço. Talvez devessemos confiar nisso, mesmo sem o compreendermos ainda” (4).

Talvez estejamos a perder demasiado tempo a tentar perceber teoricamente o mistério. A (in)finitude pode até revelar-se num contacto ou na fé de uma passagem, mas há nela uma aparente incondicionalidade, que começa e se completa no espaço e no tempo de um outro. Chamemos-lhe... amor. Assim, pelas palavras de Paulo Coelho, "ame e não pergunte muito" (5).

(1) Abílio Oliveira, Olhar Interior, Universitária Poesia, 1999

(2) Pe Carlos Jorge Vicente, Palavra de Deus & palavras de homem, Alcoa, 2014

(3) Thomás Halik, Quero que tu sejas!, Paulinas, 2016

(4) Jonathan e Christopher Nolan, Interstellar, Paramount Pictures/Warner Bros./Legendary Pictures, 2014

(5) Paulo Coelho, A bruxa de Portobello, Pergaminho, 2008.

Sugestões de leitura na circunstância de uma efeméride: Fátima - das visões dos pastorinhos à visão cristã (Esfera dos Livros), de Carlos M. Azevedo; A senhora de Maio (Temas e Debates), de António Marujo e Rui Pedro da Cruz; Fátima, milagre ou construção? (Ideias de Ler), de Patrícia Carvalho; Fátima - lugar sagrado global (Círculo de leitores), de José Eduardo Franco e Bruno Cardoso Reis.

  • Voluntários portugueses rumam ao México com cães de salvamento
    1:59

    Mundo

    Nuno Vieira e Marco Saraiva são voluntários de Braga. Com os seus dois cães, "Koi" e "Yuki", formam uma equipa de resgate e partem esta noite para o México, para ajudar na busca e salvamento de vítimas do terramoto que abalou o país esta terça-feira. A equipa portuguesa faz parte de uma ONG espanhola.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição em Porto Rico
    1:16
  • "Desistam desta escalada de radicalismo e desobediência"
    3:35
  • Como acabar com o cyberbulling? Os internautas aconselham Melania Trump

    Mundo

    Melania Trump está a ser alvo de piadas na internet, depois de ter dado um discurso, a propósito da Assembleia-Geral da ONU, sobre cyberbulling. Uns destacaram que a primeira-dama estava a falar de pobreza com um vestido de 3.000 dólares (cerca de 2.500 euros). Outros lembraram a ironia do discurso com as atitudes de Donald Trump, acusando-o de ser um bullie, que deveria ser parado, e que o primeiro passo seria impedir a presença o Presidente norte-americano no Twitter.

    SIC

  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • DGS garante que não há perigo de dengue
    2:09

    País

    Foi detectada em Penafiel a presença de uma espécie de mosquito potencialmente transmissora de dengue. No entanto, a diretor-geral da Saúde, Francisco George, garante que nenhum dos mosquitos estava infetado, não havendo assim riscos para a saúde humana. O mosquito de origem asiática já se espalhou por vários países europeus.

  • José Cid denuncia poluição em ribeira de Mogofores
    2:03

    País

    Uma descarga poluente matou peixes e outros seres vivos num curso de água que alimenta o rio Cértima, em Anadia. Um dos moradores revoltados com o cenário é o cantor José Cid, proprietário de uma quinta onde passa a ribeira, cuja água é habitualmente usada para regar os campos agrícolas.

  • Contra a endogamia académica
    2:40

    País

    As universidades públicas contratam sobretudo professores formados na própria instituição. O estudo recente da Direção-geral de Estatísticas da Educação e Ciência revela que o mérito não tem sido o requisito privilegiado. A endogamia académica é o conceito que se tenta agora inverter a bem da qualidade cientêntifica, da criatividade e da inovação.

  • Episódio da Abelha Maia censurado por queixas de obscenidade

    Cultura

    A plataforma digital Netflix viu-se obrigada a retirar um episódio da Abelha Maia depois das queixas de pais norte-americanos por causa de um "desenho obsceno", em forma de pénis. Aparentemente, terá sido só removido para quem acede nos EUA dado que, ao que a SIC pôde constatar, a partir de Portugal o episódio 35 está disponível.

  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.