sicnot

Perfil

Opinião

A bola que (n)os uniu

Adeptos dos dois clubes, juntos, numa foto publicada no Twitter na noite de terça-feira

twitter.com/vespafoto

Não é possível ficar indiferente. Pelo menos, eu não consigo ficar indiferente. Quando o futebol, isso mesmo, o futebol, junta adversários - que não inimigos - e mostra ao mundo que sejam quais forem as cores de cada um, só pode haver um lado contra o medo, a barbárie, o terrorismo, a chantagem, a ameaça e o terror.

Já tinha acontecido nos ataques de Paris, quando havia uma bomba pronta a explodir no estádio do França-Alemanha.

Aconteceu ontem, depois do ataque à bomba ao autocarro do Borussia.

Adeptos do Mónaco a entoarem o nome do rival, num estádio quase cheio que ficou vazio porque a bola foi mudada para hoje.

Gente que equipa de amarelo, que recebeu em casa outra gente que equipa de vermelho e branco, que lhe deu jantar e dormida, que recebeu adversários como se fossem família, que acolheu adeptos de um jogo como se fossem peregrinos.

Como costuma dizer um narrador de futebol, «eu estou arrepiado». Estou mesmo.

O futebol, a sociedade, deveria ser isto. Isto mesmo.

Sempre, e não apenas quando há algo extraordinário.

O futebol, que tão bem e tao mal, ao mesmo tempo, espelha a sociedade, podia e devia servir para tranformar mentalidades.

A rivalidade dura durante 90 minutos, sem fanatismos nem exageros.

O resto devia ser cortesia, civilidade, saber ganhar, saber perder, saber estar.

Sem escolta policial para as equipas chegarem aos estádios.

Sem rixas nem cânticos de ódio durante os jogos.

Porque há sempre um bem maior - nós todos, a humanidade, os valores e o respeito pelo outro ser humano, ainda que não pense como eu... ou que não apoie o mesmo clube que eu.

Hoje, todos somos Borussia.

E amanhã?

Ainda assim, obrigado pelos explosivos.

Vieram mostrar-nos que o futebol pode, deve, tem de ser um factor de união e não de divisão entre os povos.

  • Onda de solidariedade entre adeptos do Dortmund e Mónaco
    1:12

    Desporto

    Poucos minutos após o ataque ao autocarro da equipa alemã, esta terça-feira, os cânticos dos adeptos do Mónaco mostraram ao mundo que o futebol é solidário. Mais tarde, o Borussia Dortmund pediu no Twitter aos adeptos para oferecerem dormida aos fã do Mónaco. E assim foi.

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.