sicnot

Perfil

Opinião

Marcelo decidiu mudar tudo para a mensagem de Ano Novo

Marcelo Rebelo de Sousa na tradicional mensagem de Ano Novo, em 2017, no Palácio de Belém, Lisboa.

ANT\303\223NIO COTRIM

Vinte horas e trinta segundos. Marcelo fala ao país e pela primeira vez a mensagem de Ano Novo de um Presidente da República é em direto (e sem teleponto).

De casa, em direto, provavelmente sem teleponto, durante cerca de sete minutos. O tempo não é certo porque a meio da tarde o Presidente ainda estava a fazer as últimas alterações à sua mensagem de Ano Novo, habitualmente uma das mais relevantes do ano.

Marcelo não gosta de usar teleponto e está com pouca vontade de o fazer, naquela que será a primeira mensagem presidencial de Ano Novo feita em direto. Porquê? Porque o PR decidiu fazer tudo diferente este ano.

Com uma muito recente alta hospitalar e proibido de sair de casa, decidiu mudar tudo. Em primeiro lugar a mensagem é feita na sua residência, em Cascais. Em segundo lugar, é feita em direto para todas as televisões em simultâneo, apesar da câmara que capta o sinal na sua casa ser da RTP. Marcelo podia ter gravado mas decidiu fazer tudo em direto e só quer o teleponto se algo falhar.

O texto, que estava a ser rescrito esta tarde, deve ter cerca de sete minutos. Uma mensagem fundamental para percebermos os próximos meses políticos, com os sinais de esperança e os avisos que o Presidente costuma deixar nestas emissões.

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC