Opinião

"Não basta exigir às pessoas que paguem taxas e taxinhas e depois o Estado não está lá quando é necessário"

"Não basta exigir às pessoas que paguem taxas e taxinhas e depois o Estado não está lá quando é necessário"

A mensagem do Presidente sobre a reinvenção da confiança do país vai além do que aconteceu nas tragédias dos incêndios, considera Bernardo Ferrão. Para o subdiretor de Informação da SIC, Marcelo fez um discurso "de forma inteligente" e ainda está por explicar o que aconteceu em Tancos.

  • "2018 tem de ser o ano da reinvenção dos portugueses na sua segurança"
    2:32

    País

    O Presidente da República diz que em 2018 as missões essenciais do Estado não podem falhar e que é preciso reinventar a confiança na segurança. Na habitual mensagem de Ano Novo, que pela primeira vez foi transmitida em direto a partir de casa do Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que o ano passado foi contraditório porque teve vários sucessos, mas também muitas tristezas.

  • As reações dos partidos à mensagem de Marcelo
    2:46

    País

    Na reação à mensagem de Ano Novo do Presidente, o PS entende que Marcelo Rebelo de Sousa reconheceu o trabalho do Governo. Já os outros partidos sublinham sobretudo o facto do estado ter falhado na resposta aos incêndios.

  • "A frase chave é 'se o ano tivesse terminado a 16 de junho'"
    4:29

    Opinião

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou as contradições de 2017 na sua mensagem de Ano Novo, entre as vitórias na economia e as tragédias nos incêndios. Para o diretor de informação da SIC, Ricardo Costa, ficou claro que o Presidente vai manter a exigência e a fiscalização sobre o Governo, para que o que aconteceu não se repita.

  • Marcelo 2017 vs. Marcelo 2018: do “ano da gestão a prazo“ ao ”ano da reinvenção”

    País

    Marcelo mudou muita coisa na sua segunda mensagem de Ano Novo, mas manteve o essencial na forma. Foi mais duro no balanço – “se o ano tivesse terminado a 16 de Junho…” -, mas conciliador no tom das metas traçadas para o ano que agora começa. Há um ano quis que 2017 fosse o “ano da gestão a prazo”, agora quer que 2018 seja “o ano da reinvenção” e deixa o aviso sobre as missões do Estado, que não podem falhar.

  • "A bebedeira passa, o resto não!"
    2:48

    País

    O INEM socorreu mais de mil menores em coma alcoólico, no ano passado. Por isso, os adolescentes são o alvo da campanha lançada esta sexta-feira pelo Governo: "A bebedeira passa, o resto não!"

  • Sabe que pode estar a pagar 100€ a mais na fatura do gás?
    2:29

    Economia

    A maior parte das empresas fornecedoras de gás continua a cobrar aos clientes a taxa de ocupação do subsolo ao clientes, apesar da lei dizer que deve ser paga pelas empresas desde janeiro de 2017. Cada Câmara Municipal cobra o que entende e há autarquias que não cobram nada. Em alguns casos podemos estar a falar de mais de 8 euros por mês, ou seja, mais de 100 euros por ano.

  • As técnicas e o currículo polémico do Dr. Bumbum
    2:10

    Mundo

    Uma mulher morreu após uma operação aos glúteos, feita na casa de um cirurgião plástico conhecido no Brasil por Dr. Bumbum. Depois de quatro dias em fuga, o homem entregou-se às autoridades. O médico operava as mulheres em casa e no currículo tem um curso que não acabou e pós-graduações que não são reconhecidas.

  • Ir ao Douro e à Nazaré
    25:57
  • O convite que causou surpresa até na Casa Branca
    2:33